Millennium BCP marca assembleia geral para 5 de novembro

A nota enviada à CMVM confirma a notícia avançada pelo Jornal Económico esta sexta-feira.

Miguel A. Lopes/Lusa

O Millennium BCP anunciou esta sexta-feira que convocou uma assembleia geral na sede do banco para o próximo dia 5 de novembro, às 14:30, com o objetivo de alterar os seus estatutos e clarificar a distribuição de dividendos.

Em comunicado enviado esta manhã, antes da abertura da bolsa de Lisboa, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a instituição bancária confirma a notícia avançada pelo Jornal Económico esta sexta-feira.

A assembleia estipula na ordem de trabalhos a alteração do nº2 do artigo 54º dos estatutos do banco, passando, assim, a ter a seguinte leitura: “A assembleia geral delibera livremente por maioria simples em matéria de distribuição dos lucros do exercício, sem sujeição a qualquer distribuição obrigatória, tendo presente a política de dividendos em que cada momento estiver em vigor, a qual não afeta a plena liberdade de decisão da Assembleia Geral”

No segundo ponto do plano de discussões está a reformulação das “rubricas do capital próprio”. Segundo a informação transmitida pelo BCP, o objetivo é o “reforço inequívoco de condições futuras de existência de fundos suscetíveis de qualificação regulatória como distribuíveis, mediante a redução da cifra do capital social em 875.738.053,72 euros, sem alteração do número de ações (sem valor nominal) existentes e sem alteração da situação líquida”.

Os títulos do BCP estão a subir 1,28%, para 0,2296 euros.

Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários