Ministério Público arresta propriedades e contas de José Sócrates

O arresto de bens acontece depois de o DCIAP ter descoberto que o ex-governante recebeu 32 milhões de euros ilícitos do Estado e que agora vão ser ressarcidos. Além das propriedades, o Estado vai pedir a restante quantia (cerca de 15 milhões de euros) vindos de uma conta que José Sócrates tem na Suíça.

Ler mais

O Ministério Público mandou arrestar três casas e uma herdade pertencentes ao antigo primeiro-ministro, José Sócrates, avança o jornal ‘Expresso’. A investigação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) concluiu que o ex-líder socialista terá recebido ilicitamente 32 milhões de euros no âmbito da Operação Marquês, ficando os bens arrestados como garantia caso José Sócrates venha a ser condenado.

Em causa estão três imóveis, que foram vendidos pela mãe de José Sócrates ao amigo Carlos Santos Silva, e a herdade de Montemor-o-Novo, que está em nome da ex-mulher de José Sócrates, Sofia Fava. O jornal ‘Correio da Manhã’ avança que também as contas bancárias do antigo primeiro-ministro e de Carlos Santos Silva foram também arrestadas.

O arresto de bens acontece depois de o DCIAP ter descoberto que o ex-governante recebeu 32 milhões de euros ilícitos do Estado e que agora vão ser ressarcidos. Além das propriedades, o Estado vai pedir a restante quantia (cerca de 15 milhões de euros) vindos de uma conta que José Sócrates tem na Suíça.

No âmbito da Operação Marquês, José Sócrates está acusado da  prática de eventuais crimes de corrupção, fraude fiscal, branqueamento de capitais, recebimento indevido de vantagem, falsificação e tráfico de influência. Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, Armando Vara, ex-administrador da CGD, bem como  Zeinal Bava e Henrique Granadeiro (antigos administradores da PT) são também visados no processo que conta com 31 arguidos constituídos, 22 singulares e nove colectivos.

Entre os arguidos estão ainda Carlos Santos Silva, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Hélder Bataglia.

O processo arrasta-se desde julho de 2013. José Sócrates, que foi detido a 1 de novembro de  2014 e cumpriu dez meses de prisão preventiva, suspeito de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

O despacho de acusação poderá estar pronto já na próxima semana.

Recomendadas

De “falta de decência” a “independência da justiça”: as reações políticas à nomeação da PGR

Pedro Passos Coelho foi o maior crítico da não-recondução de Marques Vidal, enquanto Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português não comentam a escolha da nova Procuradora-Geral da República. O CDS-PP, espera que Lucília Gago siga a “linha” da antecessora.

PGR: PCP exige “garantia do melhoramento do trabalho desenvolvido”

Como já foi afirmado publicamente, o PCP não se pronuncia sobre nomes, mantendo a sua recusa de pessoalização da nomeação para o cargo”, refere o comunicado do PCP na sequência da nomeação de Lucília Gago como nova procuradora-geral da República.

PGR: Costa defende mandato “longo e único” de magistrado do Ministério Público

O primeiro-ministro defende em carta hoje enviada ao Presidente da República que o procurador-geral da República deve exercer um mandato “longo e único”, sendo desejável para essas funções um magistrado experiente do Ministério Público.
Comentários