Ministra da Administração Interna: “Não, não vou pedir a demissão”

Um dia depois de terem sido publicados os resultados do relatório da comissão independente sobre os incêndios que deflagraram em Pedrógão Grande, Constança Urbano de Sousa reforçou a ideia de que não abandonaria o cargo.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse esta sexta-feira de manhã que não iria sair do Governo: “Não, não vou pedir a demissão”. Numa audição na Assembleia da República, um dia depois de terem sido publicados os resultados do relatório  da comissão independente sobre os incêndios que deflagraram em Pedrógão Grande, a ministra reforçou a ideia de que não abandonaria o cargo.

A responsável pela pasta da Administração Interna garantiu que foi “há menos de 24 horas que recebemos este relatório produzido por uma comissão técnica independente, proposta pelo PSD e a que todos deram o seu total apoio, incluindo o Executivo”.

Por isso, Constança Urbano de Sousa considera que estar a debater um relatório desta dimensão, profundidade e complexidade neste período de tempo após ter sido conhecido não poderia ser um debate correto, acrescentando que isso seria “manifestamente pouco sério”.

No debate desta manhã, o PSD pediu por várias vezes que o Governo peça desculpas aos portugueses sobre o que aconteceu em junho passado em Pedrógão Grande, com o CDS-PP a pedir a demissão de Constança Urbano de Sousa.

“Para mim, constitui um desrespeito para com a comissão técnica independente e também constitui um desrespeito para com os deputados que marcaram para dia 27 um debate sobre esta matéria”, explicou, por sua vez, a governante, no Parlamento, caracterizando as conclusões divulgadas pelos meios de comunicação social como “parágrafos avulso e descontextualizados”.

Relacionadas

“Estado falhou” em Pedrógão Grande. PSD não poupa Costa nem Constança

Sociais-democratas consideram que o relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios confirma que “o Estado falhou” e apontou como sobretudo dois responsáveis.

“Desorganizado, desorientado, descoordenado”. Gente a mais no PCO perturbou combate ao incêndio de Pedrogão Grande

A presença excessiva de autoridades e da comunicação social junto do posto de comando operacional (PCO) perturbou o combate ao incêndio de Pedrógão Grande, a par de alguma menor experiência no comando, concluiu a comissão técnica independente.

Forças Armadas “estão subaproveitadas” e “devem ser enquadradas” no combate aos incêndios, defende relatório

Apoio logístico às operações de combate, no rescaldo e no patrulhamento são tarefas que devem ser entregues às Forças Armadas no âmbito do Sistema Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais. Proposta consta do relatório da comissão técnica independente.

Mortes em incêndios: 2017 foi “o ano mais trágico de sempre” em Portugal

Desde 2000, morreram em incêndios florestais 165 pessoas, sendo 2017, com as 64 vítimas mortais de Pedrógão, o mais mortífero desde que há registo, indicou o relatório da comissão técnica que analisou os fogos de junho na região Centro.

“Tiraremos todas as ilações”. Costa reage a relatório de Pedrógão

Primeiro-ministro admite que não leu a totalidade do relatório da Comissão Independente à tragédia mas promete “fazer uma reflexão”.
Recomendadas

Índices de Aceitação e de Oposição: PS votou a favor de mais diplomas do PSD do que do PCP

Plataforma Hemiciclo acaba de lançar uma nova funcionalidade: os Índices de Aceitação e de Oposição que registam o número de vezes que uma determinada bancada parlamentar votou a favor ou contra diplomas de cada uma das outras bancadas. Entre os dados compilados destacam-se algumas surpresas.

Santana quer Aliança entre “maiores partidos e aumentar “mercado eleitoral” do centro-direita

“Se tiver no mercado eleitoral, em vez de duas ofertas, três ofertas válidas, há condições para esse espaço político conseguir mais votos do que só com duas”, garantiu Pedro Santana Lopes.

Rui Rio diz que “não ficaria surpreendido” com a recondução de Joana Marques Vidal

Líder do PSD salienta que tem feito “um esforço muito grande não pela não politização, mas pela não partidarização” da nomeação para a Procuradoria-Geral da República.
Comentários