Ministra do Mar: “É absolutamente essencial resolver a questão do Porto de Setúbal”

Ana Paula Vitorino garante que o Governo está a fazer o seu “melhor para mediar”. As negociações com os estivadores são retomadas já na próxima semana.

Cristina Bernardo

A ministra do Mar disse que a solução para o Porto de Setúbal – quase parado desde o passado dia 5 de novembro, devido à greve dos estivadores – está “muito mais perto do que se possa pensar”.

Em entrevista ao jornal “Público” e à rádio “Renascença”, Ana Paula Vitorino explica que o Executivo irá retomar as negociações com os estivadores já na próxima semana.

“É absolutamente essencial resolver a questão do Porto de Setúbal. Não é aceitável que exista um tão elevado número de trabalhadores eventuais e que uma infraestrutura como aquela, que serve de suporte para as exportações, prejudique as empresas”, argumentou aos dois meios de comunicação social.

Ana Paula Vitorino garante que o Governo está a fazer o seu “melhor para mediar”. Mas estamos a tomar as medidas necessárias para que os outros portos nacionais possam receber todas as cargas que eram até agora movimentadas em Setúbal”, sublinhou, na mesma entrevista.

Governo medeia conflito no porto de Setúbal, mas acordo tarda

 

Ministra do Mar convida 13 entidades para reunião sobre conflito no Porto de Setúbal

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

ONU diz ao governo italiano que decreto viola direitos dos migrantes

Os investigadores afirmam que o decreto parece ser mais uma tentativa política para criminalizar as operações de busca e salvamento” que “intensifica ainda mais o clima de hostilidade e xenofobia contra os migrantes”.
Comentários