Ministra do Mar: “É absolutamente essencial resolver a questão do Porto de Setúbal”

Ana Paula Vitorino garante que o Governo está a fazer o seu “melhor para mediar”. As negociações com os estivadores são retomadas já na próxima semana.

Cristina Bernardo

A ministra do Mar disse que a solução para o Porto de Setúbal – quase parado desde o passado dia 5 de novembro, devido à greve dos estivadores – está “muito mais perto do que se possa pensar”.

Em entrevista ao jornal “Público” e à rádio “Renascença”, Ana Paula Vitorino explica que o Executivo irá retomar as negociações com os estivadores já na próxima semana.

“É absolutamente essencial resolver a questão do Porto de Setúbal. Não é aceitável que exista um tão elevado número de trabalhadores eventuais e que uma infraestrutura como aquela, que serve de suporte para as exportações, prejudique as empresas”, argumentou aos dois meios de comunicação social.

Ana Paula Vitorino garante que o Governo está a fazer o seu “melhor para mediar”. Mas estamos a tomar as medidas necessárias para que os outros portos nacionais possam receber todas as cargas que eram até agora movimentadas em Setúbal”, sublinhou, na mesma entrevista.

Governo medeia conflito no porto de Setúbal, mas acordo tarda

 

Ministra do Mar convida 13 entidades para reunião sobre conflito no Porto de Setúbal

Ler mais
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários