Ministro da defesa grego demite-se antes de votação sobre nome da Macedónia

O ministro da defesa grego e principal aliado da coligação do Governo de Alexis Tsipras, Panos Kammenos, anunciou hoje renunciar ao cargo, antes da próxima votação parlamentar sobre o novo nome da Macedónia, ao qual se opõe.

O ministro da defesa grego e principal aliado da coligação do Governo de Alexis Tsipras, Panos Kammenos, anunciou hoje renunciar ao cargo, antes da próxima votação parlamentar sobre o novo nome da Macedónia, ao qual se opõe.
“A questão da Macedónia não me permite não sacrificar a minha posição como” ministro, afirmou, anunciando a “retirada do Governo” de membros do seu partido, numa declaração em direto para as câmaras.

“Agradeci ao primeiro-ministro pela nossa cooperação e expliquei que, devido a essa questão nacional, não poderíamos continuar”, acrescentou.

Panos Kammenos, líder do pequeno partido soberanista ANEL, vai dar mais pormenores sobre a resignação do cargo numa conferência de imprensa marcada para as 14h30.Na sexta-feira, o parlamento da Macedónia ratificou o acordo sobre o nome de “República da Macedónia do Norte” que, para entrar em vigor, deve agora ser ratificado pelo congénere grego.

A votação em Atenas deve acontecer “dentro de dez dias”, segundo Alexis Tsipras. É necessária uma maioria simples para a mudança de nome da Macedónia, tendo o chefe do Governo uma pequena margem de manobra (153 de 300, incluindo 145 do seu próprio partido).

O principal partido da oposição, Nova Democracia (78 eleitos), anunciou que iria votar contra a ratificação do acordo. Mas os eleitos do ANEL mantiveram a ambiguidade e poderão aprovar a mudança de nome, apesar da demissão do seu líder.

Quanto aos seis membros do Governo provenientes do ANEL, não é seguro que sigam os passos de Kammenos.
Tsipras espera ainda o voto dos deputados do partido pró-europeu da oposição Potami, que tem sete eleitos.
Tsipras e o seu homólogo macedónio, Zoran Zaev, assinaram em junho o acordo de Prespa, que prevê a alteração da designação do país (Macedónia, ou Antiga república jugoslava da Macedónia, Fyrom), para “República da Macedónia do Norte”, mas a sua concretização ficou dependente da sua aprovação pelos parlamentos de Skopje e Atenas.

A alteração destina-se a terminar com um velho litígio de quase três décadas entre os dois vizinhos, e terminar com o veto grego à adesão da Macedónia à NATO e ao processo de aproximação com a União Europeia (UE).

Atenas exigia a mudança de nome por considerar que Macedónia faz parte do seu património histórico e só podia ser usado pela sua província com o mesmo nome.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: que países serão mais atingidos por uma saída sem acordo?

O exercício é necessariamente incompleto, mas o ING, instituição financeira de origem holandesa, estudou que países vão ser mais afetados pelo Brexit. Portugal não faz parte do topo do quadro, mas ninguém sai sem alguma perturbação.

Portugal envia militares, médicos e equipa da proteção civil para Moçambique

O anúncio foi feito hoje, em Lisboa, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Augusto Santos Silva.

Moçambique: 30 portugueses por localizar na cidade da Beira

“Há ainda portugueses que não estão localizados: temos na embaixada 30 pedidos de localização”, referiu o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, poucas horas depois de ter chegado a Maputo, de onde seguirá num voo doméstico para a cidade da Beira.
Comentários