Ministro das Infraestruturas defende que Estado seja acionista dos CTT

“O Estado devia continuar a ter participação no capital na empresa, mas hoje estamos confrontados com a realidade”, disse Pedro Marques no Parlamento.

Tiago Petinga/Lusa

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas criticou a privatização a 100% dos correios feita pelo Governo anterior de Pedro Passos Coelho. “O Estado devida continuar a ter uma participação nos CTT”.

Pedro Marques, respondia aos deputados na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

O ministro criticou que o governo anterior tenha privatizado os CTT a 100%, “indo além do que exigia a troika, por razões ideológicas”. Mas “hoje estamos confrontados com essa realidade”, disse Pedro Marques que defendeu que “o Estado devia continuar a ter participação no capital na empresa”.

O ministro não avançou com nenhuma intenção de renacionalizar os CTT. Pedro Marques disse que apesar da perfomance dos CTT “é bom não ignorar que continuam a ganhar dinheiro com o serviço postal”, mesmo tendo nos últimos 15 anos diminuído em 50% o correio físico e os pagamentos de Pensões por vale postal.

Pedro Marques disse que onde a empresa perde dinheiro é no Banco CTT, mas esse é agora um problema dos acionistas privados, adiantou. “O serviço postal tem de continuar a ser encarado como interessante economicamente”, disse admitindo que o serviço postal alterou-se drasticamente e que “vai alterar-se ainda mais”.

O ministro foi confrontado com a concessão dos CTT que finda no final de 2020, e disse que o plano do Governo passa por uma nova concessão.

“A Anacom não ficou parada. Fixou patamares acima da média europeia de indicadores de qualidade de serviço “, adiantou o ministro.

Pedro Marques disse que “vamos definir as bases da concessão a partir de 2020”.

A evolução da implementação das medidas impostas pela Anacom na empresa liderada por Francisco Lacerda é o papel do Governo, admitiu.

O ministro disse também que os Correios concluíram a proposta de protocolo-quadro com as juntas de freguesia e que já a submeteram à Anacom.

O ministro falou ainda do investimento ferroviário. Pois foi confrontado pelos deputados com a redução drástica do investimento em ferrovias. Em 2010 rondava os 400 milhões de euros o investimento na ferrovia, agora o investimento ronda os 100 milhões de euros. Os deputados criticaram ainda a integração da Refer na Estradas de Portugal.

“Tirámos a ferrovia do marasmo em termos de investimento, devia andar mais depressa”, disse o ministro que lembrou que os concursos públicos demoram pelo menos um ano.

O ministro lembrou também a execução de “40% do Ferrovia 2020 a meio do percurso”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumSociedades anónimas têm quatro dias para identificar acionistas

Incumprimento pode determinar exoneração da qualidade de acionista. Advogados apontam contradições com proteção de dados

Centeno diz que 72% dos precários tiveram ‘luz verde’ para ingressar no Estado

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta sexta-feira no parlamento que 72% dos trabalhadores que recorreram ao programa de regularização extraordinária dos vínculos precários do Estado (PREVPAP) tiveram parecer favorável, recusando que haja atrasos no processo.

PremiumCalçado português negoceia com Amazon canais para acelerar exportações

Acordo com o gigante Amazon permitiria ao setor do calçado aumentar canais de venda nos mercados de exportação. Agência Aicep está atenta aos contactos entre a APICCAPS e a Amazon.
Comentários