Ministro do Ambiente assinala eliminação de passivo ambiental no complexo industrial do Cachão

Esta operação vai ser financiada pelo Fundo Ambiental.

João Pedro Matos Fernandes vai visitar na próxima segunda-feira, dia 14 de janeiro, o Complexo Industrial do Cachão, também conhecido como Complexo Industrial do Nordeste transmontano.

Em Frechas, concelho de Mirandela, às 11 horas da próxima segunda-feira, o ministro do Ambiente vai visitar o local onde foram retirados resíduos de plásticos que se encontravam depositados em armazéns.

“Esta operação, financiada pelo Fundo Ambiental, visa a eliminação do passivo ambiental provocado pelos dois fogos industriais que atingiram o Complexo Agroindustrial do Cachão em setembro de 2013 e fevereiro de 2016”, adianta um comunicado do Ministério do Ambiente.

João Pedro Matos Fernandes vai igualmente presidir à cerimónia de assinatura da empreitada de beneficiação da Estação Elevatória da Preguiça, “uma importante obra para o concelho, que vai permitir a desativação da antiga estação elevatória e o melhoramento da operacionalidade da ETAR de Mirandela”, de acordo com o referido comunicado.

O Ministro do Ambiente e da Transição Energética vai ainda visitar o projeto ‘Portas de Entrada do Parque Natural Regional do Vale do Tua’, que resultou da criação da Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Quercus denuncia à UNESCO “ameaça severa” no Barroso por causa do lítio

Para a associação ambientalista, a instalação de minas de lítio a céu aberto na região é uma ameaça severa à integridade do sistema agro-silvo-pastoril da região do Barroso”.

Contra as alterações climáticas e em defesa do planeta. António Guterres é capa da “Time”

De fato e com água até aos joelhos, António Guterres é capa da revista norte-americana Time. A edição dedicada à luta contra as alterações climáticas chega às bancas na próxima semana.

Mudanças climáticas do passado são fundamentais para o futuro do planeta

As mudanças climáticas do passado são fundamentais para compreender o clima no presente e futuro próximo do nosso planeta, defendem investigadores da Universidade de Coimbra, organizadores de um encontro internacional sobre o tema.
Comentários