Ministro holandês demite-se devido a mentira sobre reunião com Putin

Halbe Zijlstra demitiu-se na sequência de ter mentido sobre a sua presença durante uma reunião com o presidente russo, Vladimir Putin.

Holanda

“Não tenho hoje outra opção a não ser de submeter a minha demissão a sua majestade, o Rei”, afirmou Halbe Zijlstra, ministro holandês dos Negócios Estrangeiros, no parlamento do seu país, visivelmente emocionado, pondo assim um ponto final na controvérsia que envolvia o seu nome.

O ministro, que ocupava o cargo desde outubro passado, enfrentou esta terça-feira um debate difícil no parlamento, após ter admitido que mentiu sobre a sua presença numa reunião organizada pelo presidente russo, na sua casa de campo, há mais de uma década.

Já era esperado que Halbe Zijlstra, membro do partido VVD (centro-direita), do primeiro-ministro Mark Rutte, enfrentasse questões difíceis e pedidos da sua demissão no parlamento. No passado, o ministro da pasta diplomática afirmara que tinha participado numa reunião em 2006, quando Putin disse que considerava a Bielorrúsia, a Ucrânia e os Estados do Báltico como parte da ‘Grande Rússia’.

No entanto, Zijlstra nunca esteve naquele encontro, mas falou com um ex-dirigente da petrolífera Shell que participou no encontro em casa de Putin e que afirma nunca ter dito o que o ministro repetiu nos últimos anos sobre a ideia expansionista de Putin.

Esta fonte escreveu uma carta à imprensa holandesa em que assegurou que Zijlstra fez uma má interpretação da conversa, porque Putin “falava em termos históricos” e não “num tom de ameaça” contra a Europa.

Recomendadas

China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.

EUA denunciam repressão de Pequim contra minoria muçulmana

Os Estados Unidos denunciaram esta sexta-feira o tratamento por parte de Pequim em relação à minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigure, que sofrem de detenções arbitrárias, tortura ou vigilância permanente, na região de Xinjiang.

Hong Kong inaugura nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China

Hong Kong inaugurou este sábado uma nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China, que irá reduzir consideravelmente o tempo de viagem entre os dois territórios, sendo que parte da estação fica sob jurisdição chinesa.
Comentários