O mistério da ressureição da Bitcoin

O preço da moeda virtual subiu 19% no mês de Outubro para os 718 dólares. A queda do Yuan e o desenvolvimento tecnológico, que permite mais transações por minuto, são os principais fatores que levaram a esta escalada.

Não só sobreviveu como se esforça para se manter a preços elevados no mercado. O valor da moeda virtual Bitcoin está novamente a subir e, segundo os analistas, isso acaba por ser um mistério. É que se o pico registado a meio do ano – depois do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia é fácil de explicar – o mesmo não acontece agora.

De acordo com o estudo “The Future of Cryptocurrency: Bitcoin & Altcoin Impact & Opportunities 2015-2019, publicado na Juniper Research, uma empresa britânica especializada em ‘business inteligence’, o número de Bitcoins a circular no mercado atingirá os 4,7 milhões em 2019, um aumento de 1,3 milhões face ao ano passado. E, numa entrevista ao canal Fox Business, o investidor norte-americano Tim Draper afirmou que até 2018, o valor da Bitcoin chegaria aos dez mil dólares.

A primeira teoria para este movimento ascendente prende-se com a queda de 4% do Yuan face ao dólar, o que levou a divisa chinesa para mínimos de seis anos. Assim, segundo ‘traders’ consultados pela Bloomberg, os investidores chineses podem estar a usar a Bitcoin e o ouro como ativos de refúgio.  Sabe-se que a China é o país que concentra a maior parte das operações globais com a moeda virtual.

Também o Banco Central chinês aumentou o poder de regulamentação na área financeira, sobretudo nos produtos com taxas de juro elevadas, o que poderá ter levado os investidores a apostar na Bitcoin, de acordo com o blog financeiro Zerohedge.

Ao mesmo tempo, um relatório do banco de investimento norte-americano, Needham and Co, fixou o preço alvo da Bitcoin entre os 655 e 848 dólares, sublinhando a maior estabilidade e liquidez desta moeda virtual – que chegou a ultrapassar os mil dólares em 2013. Segundo Eduardo Silva, gestor da corretora XTB, as Bitcoins “valorizaram no último mês devido a um desenvolvimento tecnológico que permite mais transações por minuto, fator que tem provocado um maior volume de transações.”

Vitória de Trump pode impulsionar moeda virtual

No entanto, as entidades que comercializam a Bitcoin não são reguladas ou supervisionadas por qualquer autoridade do sistema financeiro. Recorde-se que em Agosto deste ano desapareceram 72 milhões de dólares em Bitcoins da bolsa de moedas digitais Bitfinex em Hong Kong. A Bitfinex é a maior bolsa mundial de conversão de dólares em Bitcoins e é conhecida na comunidade da moeda digital pela sua grande liquidez.

“As bitcoins foram roubadas das carteiras dos nossos clientes”, disse à Reuters um dos responsáveis da Bitfinex, Zane Tackett. A comunidade da moeda digital voltava assim a estar sob os holofotes depois de um esquema na empresa de negociação Mycoin ter burlado os investidores em 387 milhões de dólares.

Uma possível vitória do candidato republicano Donald Trump na disputa pela presidência dos Estados Unidos também foi destacada pelos especialistas. “Se ele se tornar presidente, há uma real possibilidade de tumulto nos mercados financeiros e a negociação de Bitcoins pode ter um impulso, pelo menos até que o impacto nas principais moedas globais fique mais claro”, explicou Windsor Holden, o autor do estudo publicado na Juniper Research.

 

Ler mais

Recomendadas

Riscos sobre crescimento da economia da zona euro estão “menos pronunciados”, diz Lagarde

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse esta quinta-feira que as projecções económicas de dezembro se mantêm “válidas” e que os riscos sobre a economia estão “menos pronunciados” devido ao acordo do Brexit e ao início da campanha de vacinação.

Fundos de obrigações da GNB lideraram rentabilidades em 2020

No topo do ‘ranking’ surge o NB Obrigações Europa da GNB Gestão de Ativos. Gerido por Vasco Teles, o produto registou um retorno em 2020 de 13,27%. Quando relacionamos a rentabilidade com o risco, o retorno foi de 1,4%.

Um mês depois de recarregar a ‘bazuca’, BCE mantém política monetária inalterada

As taxas de juro mantiveram-se inalteradas, sendo que a taxa aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas aplicáveis à facilidade de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito permanecem em 0%, 0,25% e -0,5%, respectivamente.
Comentários