Misteriosa empresa turca ajudou Maduro a transferir 900 milhões em ouro

Uma empresa nascida na Turquia começou, de repente, a comprar milhões de dólares em ouro à Venezuela. Ao todo, a misteriosa empresa importou 900 milhões de dólares do metal precioso do país de Nicolás Maduro.

Turquia, Recep Tayyip Erdoğan

Segundo uma investigação da agência Bloomberg, dois meses depois de o presidente da Venezuela visitar Erdogan em Ancara, surgiu uma misteriosa companhia chamada Sardes. A empresa começou a fazer negócios em janeiro de 2018, quando importou cerca de 41 milhões de dólares em ouro da Venezuela. No mês seguinte, o volume mais do que duplicou, quando a Sardes transportou quase 100 milhões de dólares em ouro para a Turquia. Há 50 anos que não era feita uma transação deste tipo entre os dois países, refere a agência financeira.

Em novembro de 2018, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma ordem executiva a autorizar sanções ao ouro venezuelano, a Sardes já tinha transportado 900 milhões de dólares do metal precioso para fora do país. Em apenas um ano, a empresa conseguiu pagar a empresas venezuelanas quase mil vezes mais do que o seu capital social que é de um milhão de dólares.

Esta não é a primeira vez que a Turquia se posiciona como uma alternativa para os países que enfrentam sanções dos EUA, o que pode minar os esforços de Washington para isolar governos considerados hostis ou corruptos. Ancara testou muitas vezes os limites da tolerância dos EUA e a aliança entre os dois países, membros fundamentais da NATO, está agora essencialmente deteriorada.

A Turquia, que é, há muito tempo, uma das parceiras mais valiosas dos EUA numa região que faz a ponte entre a Europa e o Médio Oriente, tem encontrado cada vez mais interesses comuns com países autoritários como a Rússia, China, Irão e Venezuela. Quando o líder da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente legítimo do país no mês passado, os EUA e muitos outros países ocidentais declararam-lhe apoio. Mas a Turquia alinhou-se com aqueles que apoiam Maduro, apesar de as relações comerciais entre os dois países não serem especialmente relevantes.

O negócio do ouro é um dos factores que parece aproximar os dois líderes. Em dezembro do ano passado, Erdogan foi a Caracas para apresentar o líder venezuelano a Ahmet Ahlatci, presidente do conselho de uma das maiores refinarias de ouro da Turquia. No mês seguinte, Tareck El Aissami, um dos ministros de Maduro, retribuiu o gesto com uma visita a uma refinaria de Ahlatci na cidade de Çorum, na região central da Turquia. O ouro importado da venezuela deveria ser lá processado, refere a Bloomberg. No entanto, isso nunca aconteceu porque Ahlatci teve receio de infringir as sanções dos EUA, conclui.

Recomendadas

PremiumSociedades anónimas têm quatro dias para identificar acionistas

Incumprimento pode determinar exoneração da qualidade de acionista. Advogados apontam contradições com proteção de dados

Centeno diz que 72% dos precários tiveram ‘luz verde’ para ingressar no Estado

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta sexta-feira no parlamento que 72% dos trabalhadores que recorreram ao programa de regularização extraordinária dos vínculos precários do Estado (PREVPAP) tiveram parecer favorável, recusando que haja atrasos no processo.

PremiumCalçado português negoceia com Amazon canais para acelerar exportações

Acordo com o gigante Amazon permitiria ao setor do calçado aumentar canais de venda nos mercados de exportação. Agência Aicep está atenta aos contactos entre a APICCAPS e a Amazon.
Comentários