MNE critica medidas protecionistas dos EUA: “A decisão de Trump vai contra o que defendemos”

Em entrevista ao “Jornal de Negócios”, o governante critica a decisão norte-americana de impor tarifas à importação de aço e alumínio e lamenta que ainda se acredite que o protecionismo pode compensar.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defende um comércio o mais livre possível com os Estados Unidos. Em entrevista ao “Jornal de Negócios”, o governante critica a decisão norte-americana de impor tarifas à importação de aço e alumínio e lamenta que ainda se acredite que o protecionismo pode compensar.

“O que queremos é comércio o mais livre possível com os Estados Unidos, tal como consta das propostas e do trabalho que estava a ser alcançado no âmbito da negociação do TTIP. A nova administração norte-americana congelou as negociações, ficaram paralisadas. Esta decisão de [Donald] Trump vai no sentido ao que defendemos”, afirma Augusto Santos Silva.

O ministro nota que a União Europeia, como espaço económico, é “o mais aberto, o que mais pratica e beneficia do comércio livre”. As medidas protecionistas que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem vindo a defender têm “um efeito nocivo para o crescimento mundial”, afirma o governante, e terá de ter uma resposta proporcionada para esta guerra comercial.

“Quero crer que esta pequena crise possa ser superada o mais depressa possível. Custa-me a compreender que no século XXI ainda estejamos a discutir se o protecionismo compensa, numa lógica mercantilista, que pertence ao século XVII”,

Recomendadas

Comércio “altamente” dependente de flutuações de preços do petróleo

Um aumento do preço do petróleo resulta numa deterioração das trocas comerciais e numa diminuição do poder de compra das famílias, segundo estudo publicado no ‘Economic Bulletin Issue’ do BCE.

‘Fair play’ financeiro: UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain

Investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.

Porto ultrapassa Lisboa nos preços do alojamento local

Ao contrário do que se verificava tradicionalmente, os valores em Lisboa subiram 11,6%, enquanto que, no Porto, o aumento atingiu os 17,5%.
Comentários