Moniz sondado pelo PSD para disputar Câmara de Lisboa

Social-democratas pensam no vice-presidente do Benfica como candidato independente. Coordenador autárquico rejeita “especulações”, mas garante candidatos próprios em todos os municípios.

A dança de nomes para disputar a Câmara Municipal de Lisboa nas autárquicas deste ano não pára de agitar o PSD. Ao que o Jornal Económico apurou, José Eduardo Moniz, vice-presidente do Benfica e consultor da TVI, foi sondado na semana passada para encabeçar uma candidatura independente com apoio dos social democratas.

A resposta ainda não é conhecida.
A disputa autárquica na capital gerou diferentes sensibilidades dentro do partido. Com a apresentação da candidatura de Assunção Cristas, pelo CDS, a discussão centou-se entre a apresentação de um candidato próprio e um eventual apoio à lider centrista. Entretanto – tendo em conta a  indisponibilidade evidenciada por nomes como Maria Luís Albuquerque e Luís Montenegro -, o debate evoluiu para a possibilidade de uma eventual candidatura independente.

Há algum tempo que Moniz é apontado como uma possibilidade, juntamente com Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Club Português, e Rogério Alves, advogado e antigo dirigente do Sporting.
A aproximação da cúpula a José Eduardo Moniz,    por elementos do PSD próximos de Passos Coelho,  terá acontecido na semana passada.

O Jornal Económico tentou por diversas vezes confirmar esta informação junto do gestor, mas sem sucesso.
O convite a Moniz não passou pela concelhia do PSD de Lisboa – embora esta estrutura tenha vindo a defender uma candidatura própria. Em declarações ao Jornal Económico, em dezembro, o vice-presidente desta estrutura Rodrigo Gonçalves defendia que não apresentar candidato próprio a Lisboa seria um “suicídio”.

Candidatos até março
Questionado pelo Jornal Económico sobre os nomes tornados públicos como possíveis candidatos independentes, o coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, rejeitou  “entrar em especulações” sobre nomes. Mas admitiu que o partido liderado por Pedro Passos Coelho “tem candidatos possíveis para Lisboa, com notoriedade, que vão desde militantes a não militantes”.

“Estamos a estudar várias soluções.  Pessoas filiadas e não filiadas”, avança.
O autarca de Cascais  revelou, no entanto, que o PSD poderá vir a antecipar prazo definido para apresentar candidatos –  até 31 de março de 2017. E que, em fevereiro, poderá ser anunciado o primeiro pacote de nomes de candidatos do PSD não só à câmara de Lisboa, como a muitas outras.

“Em meados de fevereiro temos um pacote grande candidatos. Se até lá tivermos resolvida a quesão de Lisboa, comunicaremos também”, assegura.
Não querendo falar sobre potenciais candidatos à capital, o coordenador autárquico do PSD assegura: “Teremos candidatos em todos os municípios. Trataremos cada concelho como ‘o concelho’. E Lisboa segue as mesmas regras”.

Carlos Carreiras recorda, assim a estratégia para os vários municípios, incluindo para Lisboa, reiterando que nenhum cenário está fechado para a capital. Mas sinaliza o objetivo de “concorrer para ganhar em Lisboa”, dando conta que o perfil do candidato, além da notoriedade, abrange “o grande conhecimento e amor a Lisboa”.

Candidato próprio
Sobre a possibilidade de coligação  com o CDS para apoiar Cristas, Carreiras afiança:  “Para já estamos a trabalhar num candidato próprio”. Recorde-se que, em dezembro, este responsável desmentiu ao  o início de conversações com o CDS para apoiar Assunção Cristas como candidata à Câmara Municipal de Lisboa. Agora, recorda que as orientações estratégicas estão a ser cumpridas e que está a ser seguido o processo de decisão no dossier das eleições autárquicas. Consta dos nossos documentos estratégicos.

“O prazo é 31 de março, tal como ficou definido em Conselho Nacional. Até lá, é tempo de aprofundar projetos e verificar se há ou não convergência de projetos”, recorda Carreiras.

Ler mais
Recomendadas

Eleições: lista de candidatos às legislativas já pode ser consultada na internet

Na página podem ser consultados as listas de candidatos, boletins de voto, e no dia das eleições, os resultados provisórios e a afluência às urnas.

Ministra da Saúde disponível para pedir desculpa quando é devida

Em causa está os resultados da ação da inspeção da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) a quatro plataformas eletrónicas de financiamento colaborativo (PPL, Novobancocrowdfunding, Boaboa e Crowdfunding) que estavam ativas no início do ano, entre as quais a que promoveu a campanha de recolha de fundos promovida pelos enfermeiros.

PAN defende transparência nos contratos com empresas de familiares de políticos

O porta-voz do PAN disse que o regime de incompatibilidades e o conflito de interesses em Portugal ainda está longe de estar bem regulamentado”. André Silva referiu que uma das propostas do partido passa pela criação de uma “plataforma” onde os “lobbistas, as pessoas e entidades que representam possam estar obrigatoriamente registadas”.
Comentários