Montepio alerta que venda das ações do Banco Terra à Arise ainda aguarda por autoridades moçambicanas

“A transmissão da titularidade das respetivas ações apenas será concretizada após a conclusão de diversos passos a cumprir, quer junto de outros acionistas, quer junto das autoridades moçambicanas”, veio hoje comunicar à CMVM o Montepio Geral.

“Em complemento do comunicado emitido em 31 de agosto de 2018 sobre o acordo celebrado entre a sua participada Montepio Holding, SGPS e a holding Arise para a venda da participação de 45,78% do capital social do BTM – Banco Terra, a Caixa Económica Montepio Geral, caixa económica bancária, (CEMG) informa que a transmissão da titularidade das respetivas ações apenas será concretizada após a conclusão de diversos passos a cumprir, quer junto de outros acionistas, quer junto das autoridades moçambicanas”, veio hoje comunicar à CMVM o Montepio Geral.

“Após o cumprimento desses passos e a concretização da transmissão das ações, a CEMG prestará a devida informação sobre a transação”, refere o banco liderado por Carlos Tavares.

Recorde-se que no passado dia 31 de agosto a Montepio holding, participada da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), informou o mercado que acordou a venda da participação no BTM – Banco Terra, à Arise – holding criada em conjunto pelo fundo soberano norueguês Norfund, pelo banco de fomento holandês FMO e pelo Rabobank, no âmbito da redefinição estratégica das suas participações internacionais.

Com a venda de 45,78% do capital social do Banco Terra, o Grupo Caixa Económica Montepio Geral deixa de deter qualquer participação na instituição financeira de direito moçambicano e cuja posição remonta a 2012. Não foi adiantado o valor da venda.

“O negócio – que inclui uma opção para uma eventual entrada do Montepio na Arise – vem reforçar e aprofundar a parceria estabelecida entre as duas instituições, que se comprometem a estudar conjuntamente oportunidades futuras de investimento no continente africano”, lia-se na nota enviada à CMVM.

A anterior administração do banco, liderada por José Félix Morgado, tinha outros planos para a participação no banco moçambicano. A Caixa Económica previa passar a exposição a África (o que incluia os 51% do Finibanco Angola e estes 45,8% do moçambicano Banco Terra) para uma holding que resultaria de uma parceria internacional. O Montepio ficaria com 5% a 7% da holding através da entrega da posição no Finibanco Angola e do Banco Terra. Essa holding chama-se Arise e assim o banco português ficaria com uma parceria em África com os holandeses do Rabobank e do banco de fomento FMO e o fundo norueguês Norfund.

Mas com a chegada de Carlos Tavares o projeto mudou. O atual chairman e CEO da Caixa Económica Montepio Geral suspendeu as negociações que previam uma parceria do Montepio em África.

Ler mais
Recomendadas

Maioria dos comerciantes europeus desconhece padrões de pagamento que chegam em setembro

Um estudo da Mastercard, realizado entre setembro e novembro de 2018, concluiu que 75% dos comerciantes com lojas online não sabe o que é a SCA (Strong Costumer Authentication), obrigatória no âmbito da nova Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2).

Cinco bancos angolanos lucraram 42 milhões de euros até dezembro

Banco Comercial do Huambo (BCH) e Banco Comercial Angolano (BCA) registaram os maiores lucros.

Caixa reduz preço do financiamento do programa Casa Eficiente

A redução de taxas traduz-se agora em spreads disponíveis a partir de 1,05%, incluindo a bonificação de 0,25% associada a esta solução da CGD.
Comentários