Montepio aprova preço da OPA da Associação Mutualista

A oferta pública de aquisição tem o preço fixado de um euro por unidade de participação, o que avalia a operação em 106 milhões de euros.

Ler mais

A Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) considera apropriado o valor proposto pela Montepio Geral – Associação Mutualista na oferta pública de aquisição (OPA) lançada ao fundo de participação. Em comunicado, a instituição liderada por José Félix Morgado refere que o valor contempla de modo relevante os interesses dos minoritários do fundo.

“O conselho de administração executivo é de opinião que o preço da oferta se encontra num intervalo de valorização da entidade visada que se considera contemplar de modo relevante os interesses dos destinatários da oferta”, explica o relatório enviado esta segunda-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Associação Mutualista Montepio Geral lançou uma oferta pública geral e voluntária de aquisição das unidades de participação representativas do fundo de participação da Caixa Económica do Montepio, que ainda não detém, no início de julho. A OPA tem o preço fixado de um euro por unidade de participação, o que avalia a operação em 106 milhões de euros.

Sobre a contrapartida oferecida, a CEMG refere que “representa um prémio de 101% relativamente à cotação de fecho da Unidade de Participação no dia do Anúncio Preliminar e um prémio de 116% face à cotação média ponderada dos seis meses anteriores ao dia do Anúncio Preliminar, pelo volume das Unidades de Participação no mercado regulamentado da Euronext Lisbon”.

“Considerando a visibilidade quanto ao cumprimento dos objetivos do plano de negócios, a capacidade da geração de caixa da CEMG, bem como o potencial de crescimento do sector, o Conselho de Administração Executivo é de opinião que o preço da Oferta se encontra num intervalo de valorização da Entidade Visada que se considera contemplar de modo relevante os interesses dos destinatários da Oferta”, acrescenta.

As unidades de participação do banco Montepio começaram a negociar em bolsa em 2013 e existem neste momento 400 milhões de unidades admitidas à negociação na Bolsa de Lisboa. O objetivo da OPA passa por abranger os 26,5% das unidades dispersas por outros investidores, nomeadamente entidades do terceiro setor, que a Associação ainda não controla.

No anúncio da OPA, a associação reiterou a intenção promover o mecanismo de perda da qualidade de sociedade aberta, pelo que caso a OPA tenha sucesso os títulos do Fundo de Participação no Montepio Geral deixarão de ser cotados em bolsa. Depois da OPA, o banco deverá também passar a sociedade anónima, que é também um passo prévio à entrada de acionistas.

[Notícia atualizada às 18h20]

Relacionadas

Prospeto da OPA do Montepio já está na CMVM

Administração do banco tem oito dias para se pronunciar sobre a oferta.

Associação Mutualista eleita para a vice-presidência da associação internacional

A Associação Internacional das Mutualidades é uma organização sediada em Bruxelas. No total, reúne um conjunto de 64 organizações mutualistas, em mais de 30 países da Europa, África e América do Sul.

OPA ao Montepio retira a CMVM do processo de passagem do banco a sociedade anónima

Com a OPA, fica sem efeito a troca de títulos que estava a atrasar o processo de passagem a sociedade anónima por haver informação em falta na CMVM. A Associação Mutualista reforça o poder no banco.

Associação mutualista lança OPA para tirar Montepio da bolsa

Associação Mutualista Montepio Geral lançou uma oferta pública de aquisição sobre o fundo de participação da caixa económica, segundo comunicado da CMVM.
Recomendadas

“A Associação Mutualista vai voltar a ter resultados positivos este ano”

Tomás Correia diz que este ano a Associação vai ter lucros e vai começar a libertar imparidades da Caixa Económica, o que ajuda os lucros e os capitais próprios. Recusa qualquer relação privilegiada com o BES e admite escolher em breve o ‘Chairman’ do banco.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários