Montepio: lista de Ribeiro Mendes reclama a Vieira da Silva equipa “idónea e credível”, após eleições

Vieira da Silva recebeu Fernando Ribeiro Mendes, que se queixou de “suspeições e riscos de fraude” nas eleições da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG). Candidatos da Lista B reclamaram ainda a necessidade de uma gestão “sã e prudente” da AMMG, após as eleições de 7 de dezembro.

Fernando Ribeiro Mendes  e restantes candidatos da Lista B à Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) reclamaram a supervisão do ministro da tutela no processo eleitoral em curso. Na reunião com Vieira da Silva, realizada nesta segunda-feira, 3 de dezembro, manifestaram a preocupação quanto a “eventuais irregularidades” e “riscos de fraude” no processo eleitoral que terminará no próximo dia 7 de dezembro. E apelaram ao governante para a necessidade de garantir que a AMMG, após as eleições, será gerida por equipa “idónea e credível”, numa altura em que o seu actual presidente, Tomás Correia se recandidata a um quarto mandato.

Os representantes da candidatura da Lista B à Associação Mutualista Montepio Geral  dão conta que reuniram esta segunda feira, tal como avançado pelo Jornal Económico, com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, numa audiência previamente solicitada sobre o processo eleitoral que terminará no próximo dia 7 de dezembro.

A delegação dos candidatos da Lista B, composta por Fernando Ribeiro Mendes, João Proença, João Costa Pinto, João Carvalho das Neves e Nuno Cunha Rolo, reitera, em comunicado que transmitiu as suas preocupações ao ministro Vieira da Silva sobre um acto eleitoral que consideram “crucial” para a vida da Associação Mutualista e do grupo Montepio. Em causa está, salientam em comunicado, um processo eleitoral que “deverá decorrer de forma totalmente transparente e legítima”.

A Vieira da Silva foi igualmente salientado, acrescentam, “a absoluta necessidade de garantir que a AMMG, após as eleições, será gerida por uma equipa idónea e credível capaz de assegurar uma gestão sã e prudente da Associação Mutualista, de modo a garantir os interesses das mais de seis centenas de milhar de associados/aforradores”.

Em causa estão dúvidas sobre se o atual presidente da Associação Mutualista que encabeça a Lista A reunirá as condições para liderar a instituição. Isto porque, Tomás Correia  tem a correr no Banco de Portugal processos de contra-ordenação especialmente graves: violação das regras de concessão de crédito, em termos de análise de risco, irregularidades ao nível do controlo interno, infracção a normas e limites no financiamento a partes relacionadas. Em causa estão, nomeadamente operações de financiamento ao Grupo Espírito Santo (GES) e ao filho do construtor José Guilherme, operações que foram realizadas quando Tomás Correia liderava. O Banco Montepio e que estão também a ser investigadas pelo Ministério Público

“A Lista B acredita na indispensabilidade de fazer crescer a importância do Montepio na sociedade portuguesa e que este encontro com o ministro da tutela contribuiu para reforçar a preocupação com o futuro da Associação Mutualista e do Grupo Montepio”, concluem.

A Vieira da Silva foi manifestada a preocupação quanto a “eventuais irregularidades, suspeições e riscos de fraude no processo eleitoral de 2018”. Os votos por correspondência foram uma das preocupações da Lista B que foram manifestadas ao governante, sabe o Jornal Económico

A reunião com o ministro que tutela a Associação Mutualista Montepio surgiu na sequência de um pedido com “carácter de urgência” a Vieira da Silva que foi enviado por carta, na passada quarta-feira, 28 de Novembro, numa missiva onde os responsáveis da lista B manifestam a sua preocupação relativamente à condução do processo  eleitoral do MGAM, sob a liderança do atual presidente Tomás Correia.

Na carta, o cabeças de lista da lista B aos órgãos associativos da Associação Mutualista tinham já apelado a Vieira da Silva para que o processo eleitoral em curso seja devidamente fiscalizado, por estar em causa, na sua opinião, “a legalidade da eleição”.

“É fundamental que o Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, através da fiscalização, garanta a defesa dos interesses dos associados, bem como a defesa dos trabalhadores da Instituição”, defenderam, na carta, os candidatos da Lista B, os quais já pediram à auditora PricewaterhouCoopers (PwC) para reforçar o controlo no processo eleitoral que tem também na corrida o actual líder da mutualista, Tomás Correia.

Para os autores da carta querem que o MTSSS, através da fiscalização, garanta a “defesa dos interesses dos associados”, bem como a defesa dos trabalhadores da Instituição (que nada têm a ver com a forma como o processo eleitoral está a decorrer)”.

As eleições para os órgãos sociais do MGAM decorrem até ao próximo dia 7 de dezembro. Estão na corrida para o conselho de administração Tomás Correia, Fernando Ribeiro Mendes e António Godinho que também se reuniu, nesta segunda-feira, 3 de dezembro com Vieira da Silva.

Na semana passada António Godinho, candidato da lista C, reuniu com Carlos Tavares, CEO da Caixa Económica, e foi recebido por Elisa Ferreira, vice-governadora do Banco de Portugal, na sequência de cartas enviadas a 26 de novembro aquelas entidades. Os encontros tiveram como finalidade apresentar a apreensão da Lista C quanto ao processo eleitoral.

Ler mais
Relacionadas

Godinho reuniu-se com Carlos Tavares, Elisa Ferreira e Vieira da Silva para falar das eleições à Mutualista

Estas reuniões, pedidas pelo principal candidato da Lista C, António Godinho, decorreram já na semana passada e hoje, dia 3 de dezembro, segunda-feira, foi a vez de se reunir com o ministro que tutela a Associação Mutualista.

Tribunal “indeferiu liminarmente” a providência cautelar que pretendia suspender as eleições da Mutualista

O Tribunal Cível concluiu “pela inexistência dos requisitos para o decretamento de providência cautelar, o que determina o indeferimento liminar” da providência cautelar instaurada por associados ligados à Lista C, liderada por António Godinho.

Fernando Ribeiro Mendes, “está em condições” de submeter à ASF todas as informações necessárias dos seus candidatos”

A Lista B, candidata à Montepio Geral Associação Mutualista (MGAM), de Ribeiro Mendes considera de vital importância para o futuro da Associação Mutualista a publicação, ocorrida esta quinta-feira, do despacho conjunto do ministro das Finanças, Mário Centeno, e do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, que coloca a MGAM sobre a supervisão da ASF.
Recomendadas

Centeno: “Portugal tem almofada financeira que cobre 44% das necessidades para os próximos 12 meses”

Em conferência de imprensa, após anunciar que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no resgate, Centeno confirmou que o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser de 121,2% no final do mês, ou seja, 3,5 pontos percentuais abaixo do valor registado no final do ano passado.

Incompatibilidades: Siza Vieira pediu ao MP arquivamento de processo após remodelação

Após ter sido notificado do parecer do Ministério Público que concluiu que Siza Vieira agiu de “boa fé” na apresentação da sua declaração de incompatibilidades, governante requereu o arquivamento do processo. Pedido é justificado com o faco de ter sido exonerado do cargo de ministro adjunto na remodelação governamental de 15 de Outubro.

Centeno confirma que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo ao FMI

A medida tinha sido anunciada por António Costa, a 29 de novembro, como “um virar de página”. Em conferência de imprensa est segund-feira, Centeno explicou que a poupança obtida através do pagamento antecipado foi de 100 milhões de euros.
Comentários