Moody’s atribui à dívida da TAP quinto nível de “lixo”

A agência de notação financeira norte-americana atribuiu o ‘rating’ “B2” à emissão de obrigações anunciada ontem.

A Moody’s atribuiu esta terça-feira o rating “B2” (“outlook” estável) à TAP e o rating “B2” à emissão de obrigações, no valor indicativo de 300 milhões de euros, dirigida a investidores institucionais, que foi divulgada ontem ao mercado. A agência de notação financeira norte-americana, a segunda a avaliar a companhia aérea nacional, classificou a dívida da TAP como quinto nível de “lixo”.

A Moody’s sustenta a decisão pela localização estratégica, em Lisboa, com forte quota de mercado no centro e uma estrutura de custos competitiva em comparação com outras companhias aéreas europeias, por exemplo. No entanto, dá também conta de operações históricas “voláteis e fracas”, do desempenho após a privatização parcial em 2015 e da ainda baixa rentabilidade em comparação aos seus pares.

“A perspetiva estável atribuída reflete a nossa visão de que a TAP S.A. e a TAP SGPS poderão traduzir a redução nos custos de CASK [Cost per Available Seat Kilometer] e combustível em maior lucratividade e um caminho de desalavancagem abaixo de 6,0x até o final do ano de 2019 para a TAP S.A. (e abaixo de 6,5x para a TAP SGPS)”, explicam os analistas, que antecipam ainda a manutenção de um perfil de liquidez “adequado”.

A Moody’s considera que a liquidez da TAP é adequada, e principalmente suportada por cerca de 450 milhões de euros em dinheiro e valores mobiliários esperados no balanço no final de 2019, representando cerca de 13% das receitas do grupo.

“A pressão positiva aumentaria o rating da TAP SA se a dívida/EBITDA [lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização] da TAP SGPS chegasse a 5,5x, a margem EBIT [lucro operacional] da empresa atingisse cerca de 5% de forma sustentável e a TAP SGPS gerasse um fluxo de caixa livre, positivo e consistente”, denota a agência de notação financeira, em comunicado.

Já a Stantard & Poor’s atribuiu ontem o rating ‘BB-‘ (preliminar com “outlook” estável) à empresa e um ‘rating’ similar, ‘BB-‘ ao empréstimo obrigacionista no valor indicativo de 300 milhões de euros dirigido a investidores institucionais e divulgado hoje ao mercado.

De acordo com a nota informativa da TAP, com o início da avaliação de rating, a transportadora aérea nacional “fica posicionada entre o restrito grupo de empresas sustentáveis no mercado global de aviação”.

A notação ‘BB-‘ não é considerada “investment grade“, mas fica acima dos ratings ‘B+’ de companhias como a Turkish Airlines, SAS, Azul e Virgin Australia, atribuídos pela S&P. A mesma agência de notação atribui ratings ‘BBB+’ à Ryanair, EasyJet e Southwest, com a Lufthansa e a IAG a receberem ‘BBB’.

Ler mais

Recomendadas

Confederações patronais querem alargar a mais PME taxa reduzida de IRC

Atualmente beneficiam desta taxa reduzida de IRC as empresas com matéria coletável até 15 mil euros e as duas confederações vão propor que esse limite suba para os 50 mil euros já no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Vista Alegre conclui aumento de capital com procura de 147% da oferta

O aumento de capital foi realizado através de um processo de accelerated bookbuilding foi concluído, tendo a VAA garantido um encaixe de 15,24 milhões de euros. Esta operação surge dias depois da Vista Alegre ter concluído uma emissão obrigacionista, que lhe permitiu pagar empréstimos à banca.
Comentários