Moody’s baixa ‘rating’ de Itália para Baa3

A agência de notação financeira enumera o enfraquecimento da força fiscal do país e a paralisação das reformas estruturais como fatores para o ‘downgrade’.

A Moody’s anunciou esta sexta-feira que baixou o rating de Itália de ‘Baa2’ para ‘Baa3’ – mantendo a perspetiva do país estável – devido a um “enfraquecimento” da força fiscal do país e às metas para o défice orçamental previstas para os próximos anos.

Segundo a agência de notação financeira norte-americana, a dívida pública italiana deverá, provavelmente, estabilizar e manter-se próxima dos atuais 130% do PIB (em vez de iniciar uma tendência de descida, como seria esperado), o que justifica o nível de classificação, de risco moderado.

De acordo com a Moody’s, o downgrade deve-se sobretudo ao facto de o governo de Roma antecipar um défice orçamental para os próximos anos superior àquele que a agência estimava inicialmente. “Além disso, a tendência da dívida pública é vulnerável a perspetivas de crescimento económico mais fracas, o que poderá fazer com que o índice da dívida pública suba ainda mais do seu nível já elevado”, explica a agência.

Os analistas alertam ainda para a possibilidade de a paralisação das reformas estruturais gerar consequências negativas para o crescimento de Itália a médio prazo e para, mesmo a curto prazo, o estímulo fiscal dar “um impulso mais limitado ao crescimento do que aquele que o governo prevê”.

“Os planos de política fiscal e económica do governo não incluem uma agenda coerente de reformas que tenham em conta o desempenho do baixo crescimento de Itália de forma sustentada. Depois de um aumento temporário do crescimento, devido à política fiscal expansionista, a agência de rating espera que o crescimento volte a descer para cerca de 1%”, refere o relatório divulgado esta noite.

Relacionadas

Com Itália a criar furacão nas dívidas europeias, Tesouro vai emitir Obrigações a 10 anos

O IGCP vai realizar, esta quarta-feira às 10h30, uma emissão de Obrigações do Tesouro com maturidade a 17 de outubro de 2028 e um montante indicativo entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros. Colocação acontece depois de a ‘yield benchmark’ de Portugal ter ultrapassado os 2% pela primeira vez em quatro meses.

Italiano BFF Banking Group abre sucursal em Lisboa

O BFF Banking Group, cotado na Bolsa de Milão desde 2017, apresenta-se como líder especializado na gestão de cobranças e no factoring de pagamentos a receber da administração pública e dos sistemas de assistência médica na UE.

Itália, orçamento ‘al dente’

Adivinha-se um período marcado por maior volatilidade para os investidores, uma vez que o diálogo na Europa não se afigura fácil.

Respostas Rápidas: Quatros riscos que o FMI vê para a estabilidade financeira

Da política monetária, à incerteza política, guerra comercial ou recente crise dos emergentes, o Fundo Monetário Internacional identifica quatro grandes riscos para a estabilidade financeira no estudo publicado esta terça-feira.
Recomendadas

Bolsas da Europa sobem com Brexit. Só Lisboa e Londres fecharam em terreno negativo.

As praças europeias fecharam no verde, no rescaldo do chumbo do Parlamento britânico ao acordo Brexit levado pelo Governo de Theresa May. Só Lisboa e Londres fecharam em queda. mercado nacional terminou em ligeira baixa, apesar dos ganhos registados pela Altri e o BCP.

Trajetória positiva continua e Wall Street abre no ‘verde’

No setor financeiro, destaque para a subida de 3,49% do Goldman Sachs, depois de apresentar resultados acima do esperado. Também o Bank of America avança 5%, ao ter apresentado receitas recorde.

Science4you falha entrada na Bolsa de Lisboa

A entrada na Bolsa de Lisboa tinha sido adiada para 8 de fevereiro, mas a empresa de brinquedos didáticos liderada por Miguel Pina Martins não conseguiu o contrato de liquidez com um intermediário financeiro e acabou por desistir do processo. Após a Sonae MC e a Vista Alegre, é a terceira operação em bolsa cancelada nos últimos três meses.
Comentários