Moody’s: “Blockchain tem potencial para mudar substancialmente os serviços financeiros”

O relatório da agência de notação financeira considera que o impacto da tecnologia inovadora é misto e identificou duas áreas em que a blockchain deverá ter efeitos disruptivos: transações transfronteiriças e comissões e taxas.

Arnd Wiegmann/Reuters

A tecnologia blockchain tem um grande potencial para o setor financeiro, mas as implicações são mistas, segundo uma análise da Moody’s. A agência de notação financeira concluiu que a implementação da tecnologia inovadora poderá aumentar a eficiência dos bancos, por um lado, pressionando as taxas e comissões, por outro.

“A blockchain tem potencial para mudar substancialmente a forma como é executada uma grande variedade de serviços financeiros”, explicou Colin Ellis, managing director da Moody’s e co-autor do relatório sobre a tecnologia. “Os bancos poderão beneficiar significativamente dos desenvolvimentos e implementação de tecnologias blockchain em termos de aumento de eficiência, diminuição de custos e redução de custos”.

O relatório identificou duas áreas em que a blockchain deverá ter efeitos disruptivos: transações transfronteiriças e comissões e taxas. No caso da primeira área, o impacto é positivo já que poderá tornar as operações mais rápidas e baratas. Já a segunda, poderá ter um resultado negativo, em termos de crédito.

“A adoção destas tecnologias também limita o processamento de taxas, comissões e ganhos com transações estrangeiras, o que pressiona as receitas”, referiu Ellis. O relatório da Moody’s acrescenta que os bancos mais vulneráveis são os do Reino Unido, Bélgica e Suíça, devido ao elevado volume de transações transfronteiriças.

Cerca de 50% das receitas dos bancos suíços têm origem nessa fonte, enquanto os italianos, canadianos e israelitas têm uma exposição de cerca de 35%. Instituições bancárias da Ásia e dos países periféricos da Europa estão relativamente menos expostos, dado o menor peso das transações transfronteiriças nas contas.

Relacionadas

Santander lança serviço de transferências bancárias internacionais baseado em tecnologia “blockchain”

O banco Santander acaba de lançar um serviço de transferências internacionais que utiliza tecnologia baseada na “blockchain” da Ripple. Chama-se “Santander One Pay FX” e, para já, só está disponível em quatro países: Espanha, Reino Unido, Brasil e Polónia.

Visa investe em solução de pagamento com base na tecnologia blockchain

A blockchain não é a única inovação tecnológica para que a Visa está a olhar. A proliferação de ‘fintech’ e a entrada de grandes gigantes tecnológicas nos sistemas de pagamentos são questões vistas como positivas pela empresa, que procura novas parcerias.

Advogados apostam em parcerias para abraçar ‘blockchain’

A tecnologia blockchain entrou na agenda das sociedades de advogados. O Jornal Económico procurou saber de que forma as firmas nacionais estão a tirar proveito desta inovação tecnológica e a antecipar os desafios do futuro, como os ‘smart contracts’.
Recomendadas

“A Associação Mutualista vai voltar a ter resultados positivos este ano”

Tomás Correia diz que este ano a Associação vai ter lucros e vai começar a libertar imparidades da Caixa Económica, o que ajuda os lucros e os capitais próprios. Recusa qualquer relação privilegiada com o BES e admite escolher em breve o ‘Chairman’ do banco.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários