Moody’s: Desaceleração da economia e tensões comerciais vão afetar 2019

A Moody’s mudou esta quarta-feira a perspetiva de positiva para estável das empresas não financeiras da região EMEA no próximo ano.

As perspetivas para 2019 das empresas não financeiras da Europa, Médio Oriente e África, que em conjunto compõem a chamada região EMEA, afiguram-se tremidas, contrariando o bom desempenho que se tem verificado este ano sobretudo nos setores do petróleo e gás e nas commodities, em geral. Um primeiro sinal vem da agência de notação Moody’s, que mudou esta quarta-feira, a perspetiva de positiva para estável, devido à desaceleração do crescimento económico e ao aumento das tensões comerciais no mundo.

“Um dos principais impulsionadores da qualidade de crédito para a maioria das empresas avaliadas é o ambiente macro, onde estimamos desaceleração do crescimento económico em muitas das economias do G20 “, justifica Philipp Lotter, managing diretor da Moody’s para a zona EMEA em comunicado enviado às redações.

O impacto do agudizar das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China devem ser modestos e geríveis para as empresas europeias em 2019, diz a Moody’s. No entanto, acrescenta, um possível Brexit “sem acordo” seria negativo para alguns emissores, particularmente para as empresas britânicas nos setores aeroespacial, automobilístico e químico.

Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

João Ferreira recupera tema da “renegociação da dívida nos juros, prazos e montantes”

“Ao todo, foram mais de 100 mil milhões de euros de juros pagos à banca desde a entrada de Portugal no euro, recursos que fizeram e fazem falta aos salários, pensões, aos serviços e investimento públicos, à dinamização da produção nacional”, afirmou o eurodeputado comunista.
Comentários