Moody’s: Desaceleração da economia e tensões comerciais vão afetar 2019

A Moody’s mudou esta quarta-feira a perspetiva de positiva para estável das empresas não financeiras da região EMEA no próximo ano.

As perspetivas para 2019 das empresas não financeiras da Europa, Médio Oriente e África, que em conjunto compõem a chamada região EMEA, afiguram-se tremidas, contrariando o bom desempenho que se tem verificado este ano sobretudo nos setores do petróleo e gás e nas commodities, em geral. Um primeiro sinal vem da agência de notação Moody’s, que mudou esta quarta-feira, a perspetiva de positiva para estável, devido à desaceleração do crescimento económico e ao aumento das tensões comerciais no mundo.

“Um dos principais impulsionadores da qualidade de crédito para a maioria das empresas avaliadas é o ambiente macro, onde estimamos desaceleração do crescimento económico em muitas das economias do G20 “, justifica Philipp Lotter, managing diretor da Moody’s para a zona EMEA em comunicado enviado às redações.

O impacto do agudizar das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China devem ser modestos e geríveis para as empresas europeias em 2019, diz a Moody’s. No entanto, acrescenta, um possível Brexit “sem acordo” seria negativo para alguns emissores, particularmente para as empresas britânicas nos setores aeroespacial, automobilístico e químico.

Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários