Moody’s mantém notação da dívida portuguesa

A agência de notação, que foi a última a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, manteve inalterado o ‘rating’ em Baa3 e a perspetiva estável, não publicando nenhum relatório.

A Moody’s  manteve esta sexta-feira inalterada a notação da dívida portuguesa no primeiro grau de investimento (Baa3), com perspetiva estável, optando por não publicar nenhum relatório.

A agência de notação norte-americana atualizou apenas  o calendário, apontando que irá voltar a avaliar a dívida soberana portuguesa a 9 de agosto.

A Moody’s foi a última das principais agências a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’. Em outubro do ano passado subiu o ‘outlook’ para a dívida soberana portuguesa para o nível Baa3, com perspetiva estável, justificando com o crescimento económico do país e com a diminuição do nível de endividamento.

Na altura a agência norte-americana tirou a dívida portuguesa do patamar de ‘lixo’, nível em que estava há sete anos’, e juntou-se às restantes maiores agências do mundo, que também já tinham dado este passo após a crise.

Entre as outras agências financeiras, a Fitch coloca a notação de Portugal no segundo grau de investimento (BBB), com perspetiva estável, enquanto a Standard & Poor’s tem uma classificação de ‘BBB-‘ e um outlook positivo.

[Atualizada às 22h05]

Ler mais
Relacionadas

Fitch mantém notação de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

A agência de notação sublinhou que os desenvolvimentos económicos e orçamentais desde a última avaliação continuam a sustentar uma tendência “firme” na descida da dívida pública, mas alertou que as dinâmicas do endividamento poderão ser afetadas negativamente por algumas medidas não-recorrentes.

Bancos têm de melhorar qualidade dos ativos e reduzir agências, avisa Moody’s

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da agência de notação financeira norte-americana.

Moody´s diz que elevada dívida pública continuará a condicionar os ratings de Itália, Portugal e Espanha

Enquanto o fardo da dívida do governo da região continuará seu declínio gradual, para 84% do PIB ainda é muito maior do que os níveis registados antes da crise financeira global. O elevado endividamento dos governos continuará a ser um constrangimento de rating para alguns soberanos da área do euro, como a Itália, Portugal e Espanha, revela a agência. A Moody´s atribui um outlook estável à evolução dos ratings de dívida dos Estados soberanos da área do euro em 2019.

Moody’s tira ‘rating’ de Portugal do ‘lixo’

Descida do elevado endividamento e crescimento económico foram as principais razões para o ‘upgrade’. A agência era a única das quatro principais que ainda não tinha subido a notação da República para grau de investimento, após a crise.
Recomendadas

PSI 20 em alta numa sessão onde títulos da EDP, Galp e CTT são o o foco dos investidores

O PSI 20 está a subir na sessão desta terça-feira enquanto as principais bolsas europeias estão a negociar em terreno negativo.

Investidores esperam para ver em semana decisiva

Para o resto da semana espera-se bastante mais ruído e movimento, tendo em conta que alguns pesos pesados irão divulgar resultados, tais como: Amazon, Facebook, Twitter, Microsoft, Tesla,  Coca Cola, Procter & Gamble, United Technologies, Verizon, Lockheed Martin e eBay.

Wall Street fecha mista e petróleo dispara

A Tesla cai 3,8% em Wall Street após a explosão de um modelo S em Xangai e os EUA anunciam fim das isenções nas sanções ao Irão e levam petróleo para máximos de seis meses. Estes são os principais temas de hoje em Wall Street.
Comentários