Moody’s mantém notação da dívida portuguesa

A agência de notação, que foi a última a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, manteve inalterado o ‘rating’ em Baa3 e a perspetiva estável, não publicando nenhum relatório.

A Moody’s  manteve esta sexta-feira inalterada a notação da dívida portuguesa no primeiro grau de investimento (Baa3), com perspetiva estável, optando por não publicar nenhum relatório.

A agência de notação norte-americana atualizou apenas  o calendário, apontando que irá voltar a avaliar a dívida soberana portuguesa a 9 de agosto.

A Moody’s foi a última das principais agências a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’. Em outubro do ano passado subiu o ‘outlook’ para a dívida soberana portuguesa para o nível Baa3, com perspetiva estável, justificando com o crescimento económico do país e com a diminuição do nível de endividamento.

Na altura a agência norte-americana tirou a dívida portuguesa do patamar de ‘lixo’, nível em que estava há sete anos’, e juntou-se às restantes maiores agências do mundo, que também já tinham dado este passo após a crise.

Entre as outras agências financeiras, a Fitch coloca a notação de Portugal no segundo grau de investimento (BBB), com perspetiva estável, enquanto a Standard & Poor’s tem uma classificação de ‘BBB-‘ e um outlook positivo.

[Atualizada às 22h05]

Ler mais
Relacionadas

Fitch mantém notação de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

A agência de notação sublinhou que os desenvolvimentos económicos e orçamentais desde a última avaliação continuam a sustentar uma tendência “firme” na descida da dívida pública, mas alertou que as dinâmicas do endividamento poderão ser afetadas negativamente por algumas medidas não-recorrentes.

Bancos têm de melhorar qualidade dos ativos e reduzir agências, avisa Moody’s

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da agência de notação financeira norte-americana.

Moody´s diz que elevada dívida pública continuará a condicionar os ratings de Itália, Portugal e Espanha

Enquanto o fardo da dívida do governo da região continuará seu declínio gradual, para 84% do PIB ainda é muito maior do que os níveis registados antes da crise financeira global. O elevado endividamento dos governos continuará a ser um constrangimento de rating para alguns soberanos da área do euro, como a Itália, Portugal e Espanha, revela a agência. A Moody´s atribui um outlook estável à evolução dos ratings de dívida dos Estados soberanos da área do euro em 2019.

Moody’s tira ‘rating’ de Portugal do ‘lixo’

Descida do elevado endividamento e crescimento económico foram as principais razões para o ‘upgrade’. A agência era a única das quatro principais que ainda não tinha subido a notação da República para grau de investimento, após a crise.
Recomendadas

Perdas da Galp, Jerónimo Martins e das papeleiras condicionam PSI 20

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.251,38 pontos na sessão desta terça-feira.

Wall Street em máximos mas sem rumo

Ou seja foi mais uma puxada “estética” que algo mais, até porque o volume continuou bem abaixo da média com 5.3 biliões de negócios.

Época de resultados puxa por Wall Street

Depois do Citi, apresentarão suas contas ao mercado esta semana outras empresas como a Johnson & Johnson, J.P. Morgan, Goldman Sachs, Wells Fargo, IBM, Bank of America, eBay, Netflix, UnitedHealth, Morgan Stanley e Microsoft.
Comentários