Moody’s melhora perspetiva de evolução de Moçambique de negativa para estável

Agência de notação justificou a reestruturação dos títulos de dívida pública, atualmente em negociações, vá impor perdas financeiras aos credores.

Mike Hutchings/Reuters

A agência de notação financeira Moody’s melhorou hoje a perspetiva de evolução da economia de Moçambique, mantendo, no entanto, o país em incumprimento financeiro (‘default’) no seguimento da crise da dívida oculta, descoberta em 2016.

“A decisão reflete principalmente a expectativa da Moody’s de que a reestruturação dos títulos de dívida pública, atualmente em negociações, vá impor perdas financeiras aos credores, o que é consistente com um ‘rating’ de Caa3”, lê-se na nota que acompanha a divulgação da decisão.

“A perspetiva de evolução [‘Outlook’, no original em inglês] reflete a avaliação da Moody’s de que os riscos sobre as eventuais perdas dos credores que detêm títulos de dívida pública atualmente em ‘default’ são equilibrados, com as perdas de 20 a 35% consistentes com um ‘rating’ de Caa3”, lê-se ainda no texto.

Para a Moody’s, “mesmo que as negociações não cheguem a bom termo, as derradeiras perdas ficariam provavelmente entre os 20 e os 35%”.

Por outro lado, se os investidores rejeitarem a proposta preliminar que foi anunciada no princípio de novembro, “é improvável que sofram perdas significativamente maiores do que os 35% numa negociação subsequente”.

A Moody’s afirma que, “ao mesmo tempo, o derradeiro objetivo de Moçambique é conseguir um programa de financiamento do Fundo Monetário internacional, o que é um incentivo a que atinja uma redução significativa no peso da dívida, sugerindo que, em última análise, as perdas [para os credores] de menos de 20% são improváveis”.

Uma das razões da incerteza é a investigação judicial que decorre sobre as dívidas ocultas, que levou à detenção de vários alegados intervenientes, entre os quais o antigo ministro das Finanças Manuel Chang e três banqueiros do Credit Suisse envolvidos nos empréstimos, para além do empresário libanês gestor da Privinvest.

Na quinta-feira, as autoridades moçambicanas detiveram cinco arguidos, incluindo António do Rosário, administrador-delegado das empresas públicas que deviam ter recebido 2,2 mil milhões de dólares.

Para além de Rosário, também Gregório Leão, ex-diretor do SISE, Bruno Tandade, operativo daquele serviço de informações, Inês Moiane, secretária pessoal de Armando Guebuza – Presidente da República quando o Estado avalizou secretamente os empréstimos -, e Teófilo Nhangumele, alegado promotor junto de Moçambique da ideia de criar as empresas e contratar o financiamento, foram detidos.

Na sexta-feira, o tribunal de Joanesburgo negou o pedido de fiança do antigo ministro das Finanças Manuel Chango, que continuará, assim, em prisão preventiva na África do Sul.

Ler mais
Recomendadas

Perdas da Galp, Jerónimo Martins e das papeleiras condicionam PSI 20

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.251,38 pontos na sessão desta terça-feira.

Wall Street em máximos mas sem rumo

Ou seja foi mais uma puxada “estética” que algo mais, até porque o volume continuou bem abaixo da média com 5.3 biliões de negócios.

Época de resultados puxa por Wall Street

Depois do Citi, apresentarão suas contas ao mercado esta semana outras empresas como a Johnson & Johnson, J.P. Morgan, Goldman Sachs, Wells Fargo, IBM, Bank of America, eBay, Netflix, UnitedHealth, Morgan Stanley e Microsoft.
Comentários