Moradias valorizam 3,1% na Madeira em contra-ciclo com quebra de 0,4% na habitação

As moradias chegaram aos 1.346 euros por metro quadrado na Madeira enquanto que no Funchal este setor atingiu os 1.467 euros por metro quadrado. A Madeira é a terceira região do país com o preço mais elevado na avaliação bancária da habitação.

As moradias valorizaram na Madeira, em setembro, ao contrário do verificado tanto na habitação, no seu geral, como nos apartamentos.

Em setembro as moradias passaram a valer 1.346 euros por metro quadrado, face aos 1.306 euros registados no mês anterior. Este segmento habitacional já se encontra em subida nos últimos dois meses.

Mas se tivermos em conta o Funchal o preço é muito mais elevado. Em setembro, confirmou-se nova subida pelo segundo mês, para os 1.467 euros por metro quadrado.

Este segmento valorizou também em Portugal Continental dos 1.102 para os 1.111 euros por metro quadrado.

Esta tendência de valorização no entanto não se estende na Madeira para a habitação como para os apartamentos.

Em setembro existiu um quebra de 0,4%, para os 1.341 euros por metro quadrado quando no mês anterior ficava nos 1.346 euros por metro quadrado.

Nos apartamentos o valor ficou fixado em 1.337 euros por metro quadrado, uma quebra de 2,8% quando no mês anterior era de 1.375 euros por metro quadrado.

A Madeira continua a ser a terceira região do país com o valor médio da avaliação bancária mais elevada.

Ler mais
Relacionadas

Madeira deve mais 6062 euros do que Portugal Continental no crédito à habitação

Apesar disso a taxa de juro do crédito à habitação é mais baixa mas a prestação total e o capital amortizado atinge valores superiores aos registados em Portugal Continental.
Recomendadas

Madeira despende cinco milhões de euros no combate ao VIH e Hepatite C

O Governo Regional estabeleceu um contrato-programa com a Associação para o Planeamento da Família (APF) que vai permitir a elaborar de testes rápidos e de diagnóstico de infecção pelo VIH.

PS chama Albuquerque e Pedro Calado à Assembleia para prestar esclarecimento sobre AIMINHO

Em causa está a constituição de Patrícia Dantas, diretora regional da Economia, como arguida no processo que envolve a Associação Empresarial do Minho (AIMINHO), que terá alegadamente criado um esquema fraudulento, envolvendo fundos comunitários, com desvios de pelo menos 10 milhões de euros.

Inaceitável. Reação do CDS-PP Madeira à recusa de Pedro Marques em prestar declarações sobre TAP

O líder do CDS-PP Madeira considera que a recusa do ministro em vir prestar declarações à comissão de inquérito sobre a gestão da TAP, da Assembleia Regional, é “sintomático do valor e do respeito” que o PS tem pelas autonomias.
Comentários