Morais Pires: “Vou recorrer desta decisão do Banco de Portugal”

O Banco de Portugal diz que ficou provado que os antigos administradores do BES atuaram de forma dolosa para esconder os problemas que o BESA enfrentava. Morais Pires foi multado em 1,2 milhões e vai recorrer para o Tribunal de Santarém.

O ex-administrador do BES com o pelouro financeiro e que tinha também o pelouro do BES Angola diz em comunicado que “vou recorrer desta decisão do Banco de Portugal precisamente para o único tribunal competente. Esta decisão sobre irregularidades no Banco Espírito Santo Angola é perversamente injusta e notoriamente interessada”.

Morais Pires foi condenado pelo Banco de Portugal a uma coima de 1,2 milhões de euros.

Diz em comunicado que a condenação é “perversamente injusta, porque a intervenção que tive no Banco Espírito Santo Angola foi a de pôr a funcionar bem, entre 2012 e 2013, o que anteriormente tinha sido posto a funcionar mal por Álvaro Sobrinho, como bem sabe o Banco de Portugal”, diz o ex-administrador.

E, acrescenta, “é notoriamente interessada, porque constitui uma forma de o Banco de Portugal e os seus administradores tentarem encontrar bodes expiatórios para o ato gravíssimo e extremamente danoso para o Estado português que cometeram em julho/agosto de 2014, quando controlavam o BES”.

“Esse ato –  que recentemente denunciei em 14 de dezembro de 2018 através de uma ação popular que intentei contra o Banco de Portugal – foi o de não terem feito acionar, tendo antes deixado revogar, a garantia soberana de 5,7 mil milhões de dólares (cerca de 4,2 mil milhões de euros) que a República de Angola, em grande medida devido à minha intervenção junto dos mais altos órgãos do Estado angolano, concedeu em 31 de dezembro de 2013 ao grupo BES, em geral, e ao Banco Espírito Santo Angola em especial”.

“E a perda desse valor, além de ser um prejuízo em si mesma, contribuiu – e muito – para o montante, de precisamente cerca de 4 mil milhões de euros, que o Estado português teve que pôr no Novo Banco e aí foi totalmente perdido”, volta a recordar Morais Pires.

O Banco de Portugal aplicou multas a oito dos 18 acusados. As duas maiores coimas foram aplicadas a Ricardo Salgado, que vai pagar 1,8 milhões de euros, e a Amílcar Pires, que terá de dar ao Banco de Portugal 1,2 milhões de euros.

Em causa estavam financiamentos superiores a três mil milhões que o BES emprestou ao banco em Angola, sem que o supervisor tivesse sido disso informado.

O Banco de Portugal diz que ficou provado que os antigos administradores do BES atuaram de forma dolosa para esconder os problemas que o BESA enfrentava.

 

Ler mais
Recomendadas

Presidente executivo do Novo Banco é ouvido hoje no Parlamento

O presidente executivo do Novo Banco é hoje ouvido na Assembleia de República, na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito do requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do PSD.

Reforma da supervisão: Banco de Portugal diz que causas de exoneração previstas “constituem um limite à independência”

O Banco de Portugal defende que os “membros do conselho de administração devem ser inamovíveis, como garantia contra influências externas sobre a sua capacidade de tomada de decisão”. O supervisor destaca que a “introdução de eventuais especificidades nacionais” na reforma da supervisão financeira “causa dúvidas interpretativas e de aplicação”, argumenta o Banco de Portugal, apontando que a “previsão expressa de causas de exoneração (…) vai ao arrepio da linha que tem sido seguida pelo BCE”.

PremiumPDVSA pede registo de aplicações ao Novo Banco

Serão requeridos ao tribunal todos os registos de aplicações que transitaram para o banco herdeiro do BES. Crédito a reclamar deverá ser superior.
Comentários