Morais Pires: “Vou recorrer desta decisão do Banco de Portugal”

O Banco de Portugal diz que ficou provado que os antigos administradores do BES atuaram de forma dolosa para esconder os problemas que o BESA enfrentava. Morais Pires foi multado em 1,2 milhões e vai recorrer para o Tribunal de Santarém.

O ex-administrador do BES com o pelouro financeiro e que tinha também o pelouro do BES Angola diz em comunicado que “vou recorrer desta decisão do Banco de Portugal precisamente para o único tribunal competente. Esta decisão sobre irregularidades no Banco Espírito Santo Angola é perversamente injusta e notoriamente interessada”.

Morais Pires foi condenado pelo Banco de Portugal a uma coima de 1,2 milhões de euros.

Diz em comunicado que a condenação é “perversamente injusta, porque a intervenção que tive no Banco Espírito Santo Angola foi a de pôr a funcionar bem, entre 2012 e 2013, o que anteriormente tinha sido posto a funcionar mal por Álvaro Sobrinho, como bem sabe o Banco de Portugal”, diz o ex-administrador.

E, acrescenta, “é notoriamente interessada, porque constitui uma forma de o Banco de Portugal e os seus administradores tentarem encontrar bodes expiatórios para o ato gravíssimo e extremamente danoso para o Estado português que cometeram em julho/agosto de 2014, quando controlavam o BES”.

“Esse ato –  que recentemente denunciei em 14 de dezembro de 2018 através de uma ação popular que intentei contra o Banco de Portugal – foi o de não terem feito acionar, tendo antes deixado revogar, a garantia soberana de 5,7 mil milhões de dólares (cerca de 4,2 mil milhões de euros) que a República de Angola, em grande medida devido à minha intervenção junto dos mais altos órgãos do Estado angolano, concedeu em 31 de dezembro de 2013 ao grupo BES, em geral, e ao Banco Espírito Santo Angola em especial”.

“E a perda desse valor, além de ser um prejuízo em si mesma, contribuiu – e muito – para o montante, de precisamente cerca de 4 mil milhões de euros, que o Estado português teve que pôr no Novo Banco e aí foi totalmente perdido”, volta a recordar Morais Pires.

O Banco de Portugal aplicou multas a oito dos 18 acusados. As duas maiores coimas foram aplicadas a Ricardo Salgado, que vai pagar 1,8 milhões de euros, e a Amílcar Pires, que terá de dar ao Banco de Portugal 1,2 milhões de euros.

Em causa estavam financiamentos superiores a três mil milhões que o BES emprestou ao banco em Angola, sem que o supervisor tivesse sido disso informado.

O Banco de Portugal diz que ficou provado que os antigos administradores do BES atuaram de forma dolosa para esconder os problemas que o BESA enfrentava.

 

Ler mais
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.

Governo pediu à CGD que fossem tomadas “todas as diligências”

O Governo pediu à administração da CGD que fossem “efetuadas todas as diligências necessárias para apurar quaisquer responsabilidades” e tomadas “medidas adequadas para a defesa da situação patrimonial da CGD”, pode ler-se na nota citada pela TSF.
Comentários