Mota, Semapa e Altri sobem mais de 2% e animam PSI 20. Europa veste-se de verde

As bolsas europeias viveram hoje num ambiente de otimismo, perante os sinais positivos em torno das negociações comerciais EUA/China, bem como o acordo preliminar dos congressistas norte-americanos para colocarem fim ao shutdown, faltando agora o aval do presidente Donald Trump.

Kai Pfaffenbach/Reuters

As ações da Mota-Engil dispararam 3,39% para 1,892 euros; a Semapa ganhou valorizou 2,54% para 15,320 euros e a Altri ganhou 2,19% para 7,460 euros. Estes foram os títulos que mais subiram no índice da bolsa de Lisboa, mas não foram os únicos. A Navigator subiu 1,72% para 4,254 euros; a Galp fechou em alta de 1,58%, nos 13,800 euros; a EDP fechou a valorizar 1,01% para 3,190 euros; o BCP também fechou no verde ao ganhar  0,95% para 0,2340 euros.

Com isto o PSI 20 fechou a subir 0,74% para 5.131,51 euros.

Em queda só as ações dos CTT (-0,26%); a Jerónimo Martins (-0,19%); e a Sonae Capital (-0,67%).

Hoje foi uma sessão positiva para as principais praças europeias, com o índice DAX a ser dos mais animados (+1,01% para 11.126,08 pontos).  O verde dominou as bolsas da Europa, e o índice global valorizou 0,79% para 3.190,75 pontos.

O CAC 40 ganhou 0,84% para 5.056,35 pontos, já o FTSE MIB escalou 1,12% para 19.805,28 pontos e o IBEX subiu 0,52% subiu 8.983,26 pontos.

Em Londres o índice FTSE 100 foi dos mais tímidos na subida (+0,06% para 7.133,14 pontos).

Segundo Ramiro Loureiro, Analista de Mercados do Millennium investment banking, este entusiasmo dos investidores está ligado às notícias do outro lado do Atlântico.

Perante os sinais positivos em torno das negociações comerciais EUA/China, bem como o acordo preliminar dos congressistas norte-americanos para colocarem fim ao shutdown, faltando agora o aval do presidente Donald Trump”, explicam o ambiente de otimismo.

“Os ganhos da Kering (+3,3%) foram catalisador para o setor de Bens de Luxo e os da Michelin (+13%) para o Automóvel, ambas a responderem a bons números” diz o analista. “A Michelin, uma das maiores fabricantes de pneus, responde aos bons números e projeções com uma valorização superior a 10%, animando o setor Automóvel”, acrescenta Ramiro Loureiro na sua nota.

“Por cá tivemos a Galp (+1,6%) a valorizar após nota positiva de uma casa de investimento. Após o fecho de mercados a Navigator está a apresentar contas”, revela o analista do BCP.

No universo empresarial o BCP destaca “a reação positiva da Galp a uma revisão em alta por parte do Goldman Sachs”.

No exterior de realçar a Kering, que até arrancou a perder mais de 3% mesmo após a Gucci ter mostrado um crescimento de 28% nas vendas e superado as estimativas, mas acabou por fechar com forte subida. A Kering é uma holding francesa com sede em Paris, especializado em artigos de luxo. Originalmente chamado Pinault-Printemps-Redoute.

O petróleo Brent, referência em Londres valorizou 1,97% para 62,72 dólares e o crude WTI, nos EUA ganha 2,06% para 53,49 dólares.

O euro valorizou 0,4% para 1,1321%.

No mercado de dívida soberana as bunds alemãs sobem 1,2 pontos base para 0,132%. Os juros da dívida portuguesa estão em queda de 1,7 pontos base para 1,638%; os da dívida espanhola caem 0,3 pontos base para 1,239% e a dívida italiana vê os juros caírem 5,6 pontos base para 2,844%.

Em termos macroeconómicos o destaque de hoje vai para os dados da inflação em Portugal que permaneceu em níveis baixos em janeiro. O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor revelouuma  inflação de 0,6% em janeiro, num patamar semelhante ao registado em dezembro de 2018. Trata-se do nível mais baixo desde abril de 2018.

 

bolsas

Ler mais
Recomendadas

Moody’s melhora perspetiva de evolução de Moçambique de negativa para estável

Agência de notação justificou a reestruturação dos títulos de dívida pública, atualmente em negociações, vá impor perdas financeiras aos credores.

Moeda angolana encerra semana estável face a euro e dólar

Divisa angolana tem-se mantido relativamente estável há cerca de dois meses, oscilando entre os 353 e os 359 kwanzas.

Moody’s mantém notação da dívida portuguesa

A agência de notação, que foi a última a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, manteve inalterado o ‘rating’ em Baa3 e a perspetiva estável, não publicando nenhum relatório.
Comentários