Mudança nas regras do IMI sobe imposto sobre as casas

O maior impacto desta revisão vai ser sentido na grande Lisboa, no grande Porto e no Algarve, precisamente nas regiões onde os preços do imobiliário têm vindo a subir de forma assinalável desde 2015.

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai rever o Coeficiente de Localização (CL) do Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI) até ao final do mês de agosto para entrar em vigor em janeiro de 2020.

Este fator é o que mais contribui para o agravamento do IMI, e o fisco quer equiparar o valor patrimonial tributário (VPT) das casas, sobre o qual incide o cálculo do IMI, a 85% do preço médio de mercado dos imóveis em cada zona, avança o Correio da Manhã esta segunda-feira, apontando que esta revisão vai obrigar os proprietários a pagarem mais IMI.

O maior impacto desta revisão vai ser sentido na grande Lisboa, no grande Porto e no Algarve, precisamente nas regiões onde os preços do imobiliário têm vindo a subir de forma assinalável desde 2015.

O IMI é a principal fonte de receita dos municípios, e renderam 423 milhões de euros só em 2017, no total de 8,2 milhões de imóveis urbanos que pagam IMI.

Os peritos imobiliários que vão fazer esta atualização estão atualmente em formação e vão para o terreno no mês de maio.

Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários