Mulheres cabo-verdianas estão a ter menos filhos

A conclusão é do III Inquérito Demográfico e de Saúde Reprodutiva, que revelou também que a mortalidade infantil diminuiu para 18%.

Os dados do III Inquérito Demográfico e de Saúde Reprodutiva (IDSR) de Cabo Verde, divulgados esta segunda-feira, apontam que, entre 2005 e 2018, as mulheres cabo-verdianas passaram de uma média de 2,8 filhos para 2,5 filhos.

O relatório concluiu também que a maioria das cidadãs do sexo feminino (97%) deste país africano procuram as estruturas de saúde para ‘darem à luz’ e que a mortalidade das crianças com menos de cinco anos diminuiu de 33 para 18‰ neste período, enquanto a taxa de vacinação aumentou consideravelmente. Já a prevalência do VIH passou de 0,8% para 0,6%.

Os resultados do ISDR-III foram apresentados pelo coordenador técnico do Instituto Nacional da Estatística, (INE) Orlando Monteiro, numa cerimónia que contou com a presença do ministro da Saúde, Arlindo do Rosário, e da coordenadora residente das Nações Unidas em Cabo Verde, Ana Graça.

Conforme explicou Orlando Monteiro, a informação que merece atenção das autoridades é a da diminuição da fecundidade, uma vez que o número médio de bebés por mulheres entre os 15 e os 49 anos passou de 2,9 em 2005 para 2,5 no ano passado. “Estes dados traduzem os programas que o país tem implementado para a prevenção de uma fecundidade elevada que existia. Por outro lado, pode traduzir-se em preocupação, pois, com estes dados estamos a aproximar do limiar de substituição que é de 2,1%”, alertou.

O mesmo responsável disse que, neste caso, é preciso que o governo cabo-verdiano analise os números para saber se deve ou não rever a política nacional de população, de maneira a que o país não venha a ter, no futuro, escassez de mão-de-obra devido à baixa fecundação, sublinhou. De acordo com o ISDR-III, a diminuição da fecundidade é mais acentuada no meio rural, com uma baixa de 16% em relação ao meio urbano, que teve uma baixa de 11%.

“Não poderemos promover muito a diminuição de número de filhos por mulheres”

Incitado a comentar estes dados, Artur Correia disse: “Temos de dosear bem até onde queremos ir, não poderemos promover a diminuição de número de filhos por mulheres muito, para não chegarmos a situação idênticas a que países como Portugal e outros, em que a taxa de fecundidade reduziu bastante e estão com problema de reposição da população.”

Este terceiro inquérito demográfico revelou que a taxa de prevalência do VIH [vírus da imunodeficiência humana] passou de 0,8% em 2005 para 0,6% em 2018. Porém, houve uma ressalva que o país já esperava: aumentou a taxa de prevalência da doença entre as mulheres.

Em 2005, Artur Correia disse que Cabo Verde aparecia como “um caso à parte” em África, visto que a prevalência da SIDA era maior nos homens, mas salientou que era previsível que a feminização da infeção, que acontece a nível mundial, aconteceria também em Cabo Verde. “Não é com surpresa que constatamos que essa tendência de feminização da epidemia também está a acontecer em Cabo Verde”, disse Artur Correia, que ainda acrescenta que a que a diminuição da prevalência da SIDA é “um grande ganho para Cabo Verde”, que permite ao país caminhar “com segurança” para a estratégia da eliminação da transmissão de mãe para filho no horizonte de 2020.

No IDSR-2018 foi testado também o nível de hemoglobina das crianças de 6-59 meses, para determinar a prevalência da anemia e os resultados indicaram que 43% das crianças de 6-59 meses são anémicas enquanto em 2005 era de 55%, o que traduz uma baixa à volta de 18 pontos percentuais, frisaram os porta-vozes. Olhando a fundo para a doença, a anemia leve representou 48% da anemia geral em 2005 e 53% em 2018, a anemia moderada representou 49% da anemia geral em 2005 e 45% em 2018 e a anemia grave é relativamente baixa com resultados de 1,7% em 2005 e 0,5% em 2018.

No que concerne à mortalidade infantil, os dados do IDSR-III indicam resultados “excelentes”, segundo o diretor-geral da Saúde. Em termos de redução da mortalidade, que passou das crianças de menos de um ano de 30 em 2005 para 16% em 2018. A mortalidade juvenil (das crianças de um à quatro anos) não mudou entre os dois inquéritos (3%), enquanto a mortalidade infanto-juvenil (das crianças de menos de cinco anos) passou de 33% em 2005 para 18% em 2018, ou seja houve uma baixa de 45%.

No que tange a cobertura de vacinamento, resultados preliminares do IDSR-2018, aponta para um aumento da taxa de cobertura vacinal entre 2005 e 2018 com resultados de 74% em 2005 para 83% em 2018. O inquérito revelou que a quase totalidade das mulheres cabo-verdianas (97%) tiveram os seus filhos assistidos por um profissional de saúde no período em análise e que quase todos esses nascimentos ocorreram nas estruturas de saúde, contra 78% em 2005.

Em 2018, a esmagadora maioria das mulheres (87%) recebeu cuidados pós-natais nos dois dias que seguiram o nascimento, contra 65% em 2005. Para Artur Correia, estes dados demonstram que o país está praticamente a erradicar os partos fora das estruturas de saúde e os não assistidos pelos profissionais de saúde.

A recolha de dados para o inquérito foi feita por 18 equipas nos 283 distritos de recenseamento do país, tendo sido entrevistados 6.741 agregados familiares com uma taxa de respostas a nível nacional de 98% entre as mulheres dos 15 aos 49 anos.

Ler mais
Recomendadas

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.

Jogos Africanos de Praia fazem de Cabo Verde destino desportivo

“Esta aposta vale a pena porque está dentro da estratégia de tornar Cabo Verde num país relevante no mundo de organizações de eventos desportivos”, disse o ministro do Desporto cabo-verdiano.

Empresas privadas com “expectativas enormes” sobre fórum de investimento em Cabo Verde

O Cabo Verde Investment Forum está agendado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho. “A questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, disse o secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários