Mundial de futebol de dois em dois anos. Bruxelas alerta FIFA para não ceder “apenas aos interesses comerciais”

Margaritis Schinas, vice-presidente da Comissão Europeia, afirmou esta quinta-feira que partilha “plenamente as dúvidas das federações nacionais de futebol europeias” sobre a possibilidade de um Mundial de dois em dois anos.

A Comissão Europeia (CE) disse estar “preocupada” com o plano da FIFA de organizar o Mundial de futebol a cada dois anos, ao invés do presente modelo de quatro em quatro anos. A intervenção da CE acontece num momento em que o organismo que rege o futebol mundial realiza um estudo de viabilidade para avaliar o provável impacto que poderá ter a alteração do formato do campeonato do mundo.

Margaritis Schinas, vice-presidente da Comissão Europeia, afirmou esta quinta-feira que partilha “plenamente as dúvidas das federações nacionais de futebol europeias” sobre a possibilidade de um Mundial de dois em dois anos.

“A Europa é o epicentro mundial do futebol e temos o dever de preservar um modelo que respeite o interesse dos adeptos, o bem-estar dos jogadores e a lógica geral do calendário desportivo global, não apenas os interesses comerciais”, acrescentou Schinas. A FIFA ainda não reagiu a estas declarações da vice-presidente da CE.

O plano da FIFA, inicialmente proposto pela Arábia Saudita e amplamente apoiado pelo ex-técnico do Arsenal, Arsène Wenger, tem o apoio de federações nacionais da África e da Ásia. No entanto, e de acordo com um estudo encomendado pela FIFA, revelado na semana passada, os fãs de futebol continuam a apoiar o ciclo de quatro anos do Mundial, com as confederações continentais em sintonia.

Num comunicado divulgado esta semana, o órgão que rege o futebol europeu, a UEFA, realçou que tem “sérias preocupações” sobre o plano da FIFA, e que isso representa “perigos reais” para o futebol, incluindo a desvalorização do campeonato do mundo, podendo potencialmente prejudicar jogadores e ter um impacto negativo em torneios femininos.

A intervenção da vice-presidente da CE também deverá ter o apoio de legisladores europeus, que debatem atualmente um relatório de iniciativa sobre a política desportiva da UE. De acordo com uma alteração ao relatório do Parlamento, apresentada por legisladores de todos os grupos políticos, a comissão da cultura vai votar no final de outubro no sentido de apelar às organizações desportivas que “respeitem a frequência estabelecida dos torneios desportivos internacionais, especialmente os Europeus e Mundiais”.

Tomasz Frankowski, co-presidente da comissão dedicada aos temas do desporto no Parlamento e ex-jogador de futebol profissional, realçou: “Como ex-jogador de futebol, temo que haja um sério risco para a saúde dos jogadores que serão forçados a participar em competições de alta intensidade todos os anos, em vez de intervalos de recuperação mais longos em anos alternados”.

“Esses planos levariam à erosão de oportunidades desportivas para as seleções nacionais mais fracas, substituindo as partidas regulares por fases finais”, acrescentou.

No início deste mês, a poderosa confederação sul-americana de futebol manifestou-se contra o plano de realizar o Mundial a cada dois anos, e o presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, referiu que os países europeus poderiam boicotar o evento, o que o deixaria efetivamente “morto”.

Recomendadas

“Futebol e entretenimento serão as primeiras áreas a recuperar da crise”, realça Marcos Motta, advogado de Neymar

“Futebol e entretenimento foram uma das primeiras indústrias a serem impactadas pela pandemia mas não tenho a menor dúvida que estas serão as primeiras a recuperar, em função da adesão e recetividade que estas indústrias apresentam”, destacou este advogado em entrevista ao programa da plataforma multimédia JE TV.

Liga dos Campeões. Sporting e FC Porto favoritos e Benfica com vida muito difícil frente ao Bayern

Três ‘grandes’ têm missões complicadas pela frente mas a casa de apostas Solverde acredita que as equipas que jogam esta terça-feira – Sporting CP e FC Porto – têm mais possibilidades de triunfar do que o SL Benfica amanhã frente ao Bayern de Munique.

Advogado de Neymar ao JE: “Em vinte anos, contratos dos futebolistas passaram de três para 100 páginas”

Em entrevista exclusiva ao programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, Marcos Motta fala sobre este conceito, da forma como a indústria do futebol tem evoluído nos últimos anos e como as transferências efetuadas na pandemia já mostram como poderá este negócio evoluir nos próximos tempos.
Comentários