Mytaxi chega a Nápoles e passa a operar em cem cidades europeias

A empresa está a apostar na expansão internacional.

A plataforma eletrónica Mytaxi, que trabalha diretamente com a indústria do táxi em Portugal desde 2015, opera desde esta quinta-feira na terceira maior cidade italiana, Nápoles, passando assim a estar presente em cem cidades europeias, de acordo com o comunicado pela empresa. A Mytaxi quer continuar expansão internacional.

O diretor de operações da plataforma Andy Batty, citado em comunicado, garantiu que a Mytaxi “é a aplicação de táxis que oferece o serviço mais abrangente em toda a Europa”, sendo que a principal vantagem para os utilizadores é “o facto de poderem utilizar a mesma aplicação em diferentes mercados e cidades europeias”.

“Vamos com certeza continuar a expandir a nossa presença internacional”, acrescentou o diretor de operações da Mytaxi. E Nápoles é o “exemplo mais recente” dessa expansão.

“Nápoles é o exemplo mais recente de uma estratégia de crescimento para 2018 que tem sido muito bem-sucedida”, explica Andy Batty, diretor de operações da Mytaxi.

A Mytaxi chega a Nápoles com 200 motoristas, uma campanha local de 50% de desconto e com parceria do principal clube de futebol da cidade – o SSC Nápoles -, que inclui o uso da imagem do avançado da equipa Simone Verdi para publicidade . Além de Nápoles, a My Taxi está também disponível nas cidades italianas de Roma, Milão, Turim e em mais outras 100 cidades por toda a Europa.

Recomendadas

Barragem do Fridão: Marques Mendes diz que Governo não vai avançar com construção

O comentador revelou que o Governo vai travar o projeto, contudo falta saber como indemnizar a EDP.

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.

Huawei: Bruxelas pede informação aos estados-membros sobre telecomunicações, contornando “pressão” dos EUA

O pedido da UE consiste numa avaliação rápida de cada Estado-membro às suas redes e sistemas de telecomunicações, sobretudo as que já têm propriedades 5G, para detetar as áreas de maior risco. Esta é uma medida não-vinculativa que contrasta com a ação endurecida de Washintgon.
Comentários