Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

Fabrizio Bensch/Reuters

O governo de Angela Merkel espera que o impacto de um não-acordo no Brexit no mercado de trabalho na maior economia da Europa seja “relativamente pequeno”, revela este sábado o “Der Spiegel”.

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que “é insignificante para o mercado de trabalho em geral”, refere o jornal, citando a resposta do governo a um pedido de informações do partido de extrema-esquerda Linke.

No segundo trimestre de 2018, havia cerca de 44,8 milhões de pessoas empregadas na Alemanha segundo dados do departamento de estatísticas alemão.

O governo alemão destacou por vezes que a Grã-Bretanha não pode escolher os elementos da União Europeia que deseja, ao mesmo tempo que rejeita os princípios como a livre movimentação durante as negociações sobre a sua iminente saída do bloco europeu.

“Ao longo deste processo, eu tenho tratado a UE com respeito”, disse Teresa May num discurso na televisão na sexta-feira. “O Reino Unido espera o mesmo. Um bom relacionamento no final deste processo depende disso”.

Recomendadas

Nações Unidas alertam para aumento da fome mundial. Saiba como contrariar o flagelo

No Dia Mundial da Alimentação, a campanha “Fome Zero” lança várias ideias para a combater a fome mundial, numa altura em que 820 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crónica, de acordo com as Nações Unidas.

PS: “OE2019 consolida os sucessos que para a oposição eram impossíveis”

Carlos César afirma que esta proposta de orçamental que acentua a necessidade de investimento.

OE2019: Ministro das Finanças diz que país terá cinco novos hospitais

Na apresentação do Orçamento de Estado de 2019, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que a “saúde é prioridade” e avançou que, no próximo ano, o país terá cinco novos hospitais.
Comentários