Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

O governo de Angela Merkel espera que o impacto de um não-acordo no Brexit no mercado de trabalho na maior economia da Europa seja “relativamente pequeno”, revela este sábado o “Der Spiegel”.

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que “é insignificante para o mercado de trabalho em geral”, refere o jornal, citando a resposta do governo a um pedido de informações do partido de extrema-esquerda Linke.

No segundo trimestre de 2018, havia cerca de 44,8 milhões de pessoas empregadas na Alemanha segundo dados do departamento de estatísticas alemão.

O governo alemão destacou por vezes que a Grã-Bretanha não pode escolher os elementos da União Europeia que deseja, ao mesmo tempo que rejeita os princípios como a livre movimentação durante as negociações sobre a sua iminente saída do bloco europeu.

“Ao longo deste processo, eu tenho tratado a UE com respeito”, disse Teresa May num discurso na televisão na sexta-feira. “O Reino Unido espera o mesmo. Um bom relacionamento no final deste processo depende disso”.

Recomendadas

OCDE quer maior facilidade nos processos de insolvência em Portugal

No relatório sobre a economia portuguesa, a OCDE explica que a rendibilidade da banca melhorou, mas continua baixa e que o crédito malparado tem vindo a diminuir, mas continua elevado. Facilitar a liquidação de empresas insolventes e reduzir as restrições à sua saída do mercado estão entre as recomendações.

Subida de taxas de juro do BCE terá impacto negativo para famílias e empresas, alerta OCDE

OCDE considera que normalização da política monetária por Frankfurt poderá ter um impacto negativo para as despesas das famílias e empresas portuguesas. Consolidação orçamental é para manter, diz, e aconselha limitar o acesso às reformas antecipadas.

OCDE recomenda que Portugal suba os impostos sobre o gasóleo

OCDE considera que existe margem para aumentar a fiscalidade ambiental e que “tarifários nacionais de algumas fontes de energia não refletem os custos ambientais associados à sua utilização”. Promoção de utilização de transportes públicos e novas soluções de transporte partilhados são também recomendadas.
Comentários