“Não há irregularidades nem desvio de verbas”, garante presidente da Câmara de Pedrógão Grande

O Jornal Económico sabe que a Judiciária está a fazer buscas “cirúrgicas” com vista à recolha de prova documental no âmbito da investigação às irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017. Autarca de Pedrógão Grande nega tudo.

Miguel Vidal/Reuters

O presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande garantiu que “para mim não há irregularidades, desvio de verbas não pode haver” no dia em que foram efetuadas buscas na autarquia por parte da Polícia Judiciária por suspeitas de desvio de verbas na reconstrução de casas após os incêndios de junho do ano passado.

A Polícia Judiciária (PJ), acompanhada do Ministério Público, esteve, na manhã desta quarta-feira, 12 de setembro, a fazer buscas nas instalações da Câmara de Pedrógão Grande e na Casa Municipal da Cultura de Pedrógão Grande. O Jornal Económico sabe que a Judiciária está a fazer buscas “cirúrgicas” com vista à recolha de prova documental no âmbito da investigação às irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017. E que até à sua análise não deverão ser constituídos arguidos neste inquérito que investiga suspeitas de desvio meio milhão de euros de fundos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação para habitações não prioritárias, isto é, casas de segunda habitação.

O Jornal Económico apurou que para a recolha desta prova documental  visa apurar quantas casas  foram reconstruídas com base na eventual  utilização indevida de fundos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação, que arderam no grande incêndio de Pedrógão, em Junho do ano passado. Para o efeito, os inspectores da PJ  estiveram nas instalações da autarquia e foram, posteriormente, para a Casa da Cultura, onde funciona o gabinete que trata da reconstrução das casas afetadas pelos incêndios de junho de 2017.

A 30 de agosto, a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, revelou que já foram remetidos ao Ministério Público 21 processos no âmbito de alegadas irregularidades na reconstrução de habitações. Uma revelação que surgiu depois de a revista Visão ter noticiado que meio milhão de euros de donativos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação terão sido desviados para casas de segunda habitação através de mudanças do domicílio fiscal para conseguir o dinheiro.

Relacionadas

Pedrógão Grande: PGR confirma buscas à Câmara e à Casa da Cultura

As buscas realizam-se no âmbito do processo que investiga alegadas irregularidades relacionadas com a reconstrução e reabilitação dos imóveis afetados pelos incêndios de Pedrógão Grande e não tem arguidos constituídos, confirmou ao Jornal Económico fonte oficial da PGR.

Pedrógão: PJ faz buscas “cirúrgicas” para recolha de prova documental de irregularidades na reconstrução de casas

A Polícia Judiciária está a fazer buscas cirúrgicas na Câmara de Pedrógão Grande e na Casa da Cultura para recolha de prova documental no âmbito da investigação às irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017. Não estão previstos arguidos até documentos apreendidos serem analisados.

PJ faz buscas na Câmara de Pedrógão Grande

A Polícia Judiciária está a fazer buscas na Câmara Municipal de Pedrógão Grande e na Casa da Cultura, avança a TVI24.
Recomendadas

Site do Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores cresceu 30% para cinco milhões e o tempo médio de permanência no site mais do que duplicou, para sete minutos. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários