“Não há irregularidades nem desvio de verbas”, garante presidente da Câmara de Pedrógão Grande

e

O Jornal Económico sabe que a Judiciária está a fazer buscas “cirúrgicas” com vista à recolha de prova documental no âmbito da investigação às irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017. Autarca de Pedrógão Grande nega tudo.

Miguel Vidal/Reuters

O presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande garantiu que “para mim não há irregularidades, desvio de verbas não pode haver” no dia em que foram efetuadas buscas na autarquia por parte da Polícia Judiciária por suspeitas de desvio de verbas na reconstrução de casas após os incêndios de junho do ano passado.

A Polícia Judiciária (PJ), acompanhada do Ministério Público, esteve, na manhã desta quarta-feira, 12 de setembro, a fazer buscas nas instalações da Câmara de Pedrógão Grande e na Casa Municipal da Cultura de Pedrógão Grande. O Jornal Económico sabe que a Judiciária está a fazer buscas “cirúrgicas” com vista à recolha de prova documental no âmbito da investigação às irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017. E que até à sua análise não deverão ser constituídos arguidos neste inquérito que investiga suspeitas de desvio meio milhão de euros de fundos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação para habitações não prioritárias, isto é, casas de segunda habitação.

O Jornal Económico apurou que para a recolha desta prova documental  visa apurar quantas casas  foram reconstruídas com base na eventual  utilização indevida de fundos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação, que arderam no grande incêndio de Pedrógão, em Junho do ano passado. Para o efeito, os inspectores da PJ  estiveram nas instalações da autarquia e foram, posteriormente, para a Casa da Cultura, onde funciona o gabinete que trata da reconstrução das casas afetadas pelos incêndios de junho de 2017.

A 30 de agosto, a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, revelou que já foram remetidos ao Ministério Público 21 processos no âmbito de alegadas irregularidades na reconstrução de habitações. Uma revelação que surgiu depois de a revista Visão ter noticiado que meio milhão de euros de donativos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação terão sido desviados para casas de segunda habitação através de mudanças do domicílio fiscal para conseguir o dinheiro.

Relacionadas

Pedrógão Grande: PGR confirma buscas à Câmara e à Casa da Cultura

As buscas realizam-se no âmbito do processo que investiga alegadas irregularidades relacionadas com a reconstrução e reabilitação dos imóveis afetados pelos incêndios de Pedrógão Grande e não tem arguidos constituídos, confirmou ao Jornal Económico fonte oficial da PGR.

Pedrógão: PJ faz buscas “cirúrgicas” para recolha de prova documental de irregularidades na reconstrução de casas

A Polícia Judiciária está a fazer buscas cirúrgicas na Câmara de Pedrógão Grande e na Casa da Cultura para recolha de prova documental no âmbito da investigação às irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017. Não estão previstos arguidos até documentos apreendidos serem analisados.

PJ faz buscas na Câmara de Pedrógão Grande

A Polícia Judiciária está a fazer buscas na Câmara Municipal de Pedrógão Grande e na Casa da Cultura, avança a TVI24.
Recomendadas

Desemprego em agosto cai 19% face ao mês homólogo de 2017

Tendência anual de um aumento ligeiro do desemprego no mês de agosto face ao mês de julho regista-se novamente, com um aumento de 2,3% em agosto face ao mês anterior.

“Aqueles que reinam no céu também devem ser responsáveis no solo”. Bruxelas desafia Ryanair

“A Ryanair diz-nos que tem o seu modelo de negócios ‘low cost’ (baixo custo). Muito bem, respeitamos. Mas vemos que outras companhias ‘low cost’ na UE trabalham com contratos locais, por isso a minha questão à Ryanair é: «do que é que estão à espera?»”, realçou a comissária europeia responsável pelo Emprego.

Lei ‘Uber’: PCP vai propor revogação da lei

“Consideramos que já muito mal foi feito, mas ainda vamos a tempo de evitar o agravamento de problemas e a situação gravíssima que está em perspetiva para aquele setor”, anunciou o deputado Bruno Dias.
Comentários