“Não nos vamos demitir”, reitera Bruno de Carvalho

“Não nos demitimos a bem do Sporting, pelas responsabilidades que assumimos. Não por estarmos agarrados ao poder”, garantiu o presidente do Sporting CP.

António Cotrim/Lusa
Ler mais

“Não nos vamos demitir”. É desta forma que o presidente do Sporting Clube de Portugal acaba de anunciar o resultado da reunião do conselho directivo do clube, num encontro que durou mais de sete horas, e que se seguiu após a demissão em bloco da Mesa da Assembleia Geral e de alguns membros do Conselho Fiscal e Disciplinar.

“Sentimos que o nosso dever, a bem do Sporting, é ficar”, revelou Bruno de Carvalho na comunicação que está  fazer em Alvalade e que começou perto das 23 horas.

Segundo o presidente do Sporting, no momento em que são reclamas responsabilidades aos órgãos sociais, sucederam pedidos de demissão que apelida de “ameaças e chantagens” e diz ser “lamentável”.

“Manobras dos que deviam estar unidos, em torno dos superiores interesses do clube, não só por nós conhecidas”, afirma Bruno de Carvalho. A este respeito, Carlos Vieira, número 2 do conselho directivo, lança críticas aos jogadores: “tememos que os jogadores estejam a ser manobrados, colocando em causa o seu profissionalismo”.

Bruno de Carvalho volta a reclamar uma assembleia geral extraordinária que, defende, “é o local próprio” para tratar este assunto. Justifica ainda que emissão obrigacionista que está ser preparada exige estabilidade, pelo que esta é a melhor solução, salientando ainda que está em curso uma reestruturação financeira e a preparação da nova temporada de mais de 50 modalidades.

 

Quem se demitiu hoje no Sporting CP?

A Mesa da Assembleia-Geral do Sporting demitiu-se em bloco. O presidente da Assembleia-Geral, Jaime Marta Soares justificou a demissão deste órgão com as “previsíveis consequências que possam advir desta instabilidade que está a marcar profundamente a instituição Sporting Clube de Portugal”. Vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) do Sporting apresentaram também a demissão e apelaram ao presidente do clube lisboeta, Bruno de Carvalho, e à restante direção que renunciem também aos cargos.

Alguns membros destes órgãos sociais já tinham tomado a decisão da demissão ainda antes dos incidentes na Academia de Alcochete, nomeadamente depois dos episódios que se seguiram ao jogo com o Atlético de Madrid, como noticiou o “Jornal Económico”.

“Estava decidido anunciar a demissão [da Mesa da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal e Disciplinar] na segunda-feira, após a final da Taça para não destabilizar. Mas já está tudo destabilizado, não valia a pena continuar. Por isso, a formalização foi antecipada”, revela fonte próxima ao processo ao “Jornal Económico”.

Quanto perdeu a Sporting SAD em bolsa hoje?

Apenas com duas transações o Sporting perdeu na manhã desta quinta-feira 2,34 milhões de euros em capitalização de mercado na Bolsa de Lisboa. Na primeira ronda de negociação por chamada, que ocorreu pelas 10h30, foram transacionados 360 títulos do Sporting CP ao preço de 0,70 euros. O tombo nas ações do clube representa um decréscimo de 0,06 euros no valor por título verde e branco, face ao último valor de fecho. Na sessão de quarta-feira, a sessão tinha fechado com as ações do Sporting a valerem 0,76 euros, após a movimentação de 350 títulos.

A cotação da Sporting SAD desvalorizou 17,11%, para 0,63 euros, pelas 15h30.Os receios de eventuais perdas da SAD com um cenário de demissão de dirigentes dos órgãos sociais, com um alegado esquema de corrupção desportiva a ser investigado e a instabilidade nas relações entre o atual presidente do clube e da SAD, Bruno de Carvalho, com a equipa de futebol e equipa técnica, fazem o valor do capital market ‘leonino’ recuar para 24 milhões. Entre a última sessão e a atual, a Sporting SAD descapitalizou quase seis milhões de euros.

Relacionadas

Ricciardi: Sporting precisa de “comissão de gestão” para substituir atual direção

“Há limites para tudo e acho que já se ultrapassaram em muito os limites”, disse José Maria Ricciardi ao Jornal Económico.

As consequências poderão vir a ser (muito) “chatas”

Os resultados da fuga unilateral de talento seriam catastróficos. Se o Sporting perder 80% do ativo, centrado em 20% dos jogadores com mais mercado, entrará de imediato em falência técnica com um endividamento de 117%.

“O que está a acontecer é vergonhoso”, diz Horta Osório sobre a crise no Sporting

O presidente do conselho de administração do banco Lloyds está em Portugal e falou sobre a crise do clube de Alvalade. O banqueiro espera que as “responsabilidades sejam apuradas rapidamente”.

Crise no Sporting: e se houver eleições antecipadas? Saiba o que dizem os estatutos

Com a saída iminente de Bruno de Carvalho da direção do clube, a existência de novas eleições torna-se inevitável e para isso é necessário saber o que dizem os estatutos.

Demissões e perdas de milhões: o que já aconteceu hoje no Sporting CP?

Tem sido uma quinta-feira agitada em Alvalade. Desde as demissões da Mesa da Assembleia Geral, aos milhões perdidos em bolsa, culminando no processo disciplinar a Bruno de Carvalho.

Exclusivo: Álvaro Sobrinho diz que Bruno de Carvalho “não merece confiança e deve apresentar a demissão”

Segundo maior accionista da Sporting SAD diz que direcção liderada por Bruno de Carvalho “não merece a confiança e deve apresentar a demissão”. Sobrinho considera que Bruno de Carvalho “está a pôr em risco os ativos da empresa e isto não pode acontecer”. E deixa uma palavra de conforto para os jogadores e equipa técnica. “Têm todo o apoio” da Holdimo, afirmou Álvaro Sobrinho ao JE.
Recomendadas

OE2017: Carga fiscal atinge 34,4% do PIB no ano passado

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

“Isenção, imparcialidade e rigor”: o que espera Assunção Cristas da nova PGR

Cristas lembrou que desde 2010 que o CDS defende que “deve haver um maior escrutínio nestas escolhas, nomeadamente, através de audições públicas a realizar no parlamento”.
Comentários