Não pagar salário deixa de ser crime na Grécia

Salários em atraso são uma realidade tanto para os trabalhadores da função privada, como da função pública na Grécia. Conhecem-se casos de trabalhadores que não recebem há vários meses, e até, nos casos mais dramáticos, alguns anos.

Ler mais

A crise na Grécia permanece acentuada com vários trabalhadores sem receber salários há vários meses e até, em alguns casos, há vários anos. A situação foi a discussão no Supremo Tribunal que decidiu neste mês que é possível as empresas não pagarem regularmente aos trabalhadores.

A decisão do Supremo, que vem proteger o direito das empresas, esclarece que só é crime o atraso de pagamento que esteja relacionado com uma vontade do empregador de afastar o trabalhador, noticia o Público.

Os salários em atraso são uma realidade tanto para os trabalhadores da função privada, como da função pública. O Público revelou a história de uma mulher que acabou por cometer suicídio, depois de não receber salário há 15 meses, e de um grupo de trabalhadoras de limpeza dos hospitais públicos da ilha de Lesbos que confidenciaram não receber remuneração há cinco meses. Importa referir que estes casos não são únicos e são cada vez mais recorrentes.

Com a taxa de desemprego nos 22%, os cidadãos receiam não encontrar um novo emprego e, esperançosos em poder vir a receber os salários em atraso, não deixam os empregos em que não são remunerados.

A questão das reformas é também um grave problema na Grécia, já que o estado demora meses ou anos a pagar. Os últimos dados revelam que mais de 294 mil pensões foram adiadas, e há casos de tempos de espera que chegam aos três anos e meio.

Em consequência, várias famílias passam dificuldades para suportar as necessidades básicas. O número de lares com dificuldades subiu 42% em cinco anos. Um valor que se situava nos 28% em 2010 passou para 53,5% em 2015.

A organização não governamental Dianeosis verificou que 15% da população ganhava abaixo do limiar de pobreza em 2015, com vários contratos feitos em regime de part-time. O salário médio bruto para um trabalhador em part-time é de 388 euros e em full-time é 1167 euros.

Relacionadas

Grécia vê a luz ao fundo do longo túnel da crise

Atenas pôs o pé na água, para testar a recetividade dos investidores à sua dívida pública. A um ano de sair do programa de resgate, os sinais são positivos, mas há reformas e negociações no caminho.

Tsipras: “sair da Europa e ir para onde… para outra galáxia?”

O primeiro-ministro grego apontou o dedo a Varoufakis por ter apresentado um plano fraco e ineficaz para tirar a Grécia da moeda única. Tsipras não faz críticas apenas ao antigo ministro das Finanças e admite sobre a sua governação: “Cometi erros, grandes erros”.

FMI aprova empréstimo “condicionado” de 1,6 mil milhões à Grécia

A decisão do FMI de aprovar um acordo de princípio para uma aprovação condicionada segue-se ao desembolso de mais uma tranche do terceiro resgate a Atenas acordado entre os ministros das Finanças da zona euro, em junho.
Recomendadas

China chama embaixador dos EUA após sanções impostas contra o Exército

Em causa estão a sanções impostas pelo Governo norte-americano ao Equipment Development Department (EDD), responsável pelas armas e equipamentos do exército chinês, e ao seu diretor, Li Shangfu, por ter comprado armamento à empresa Rosoboronexport, exportadora russa de armamento, que já havia sido sancionada por Washington.

Marcelo Rebelo de Sousa reúne-se com Guterres no domingo e discursa quarta-feira na ONU

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai encontrar-se com o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, no domingo, em Nova Iorque, onde irá discursar na 73.ª sessão da Assembleia Geral desta organização, na quarta-feira.

OPEP reduz produção de petróleo face à queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA

Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) baixou a produção de petróleo no mês de agosto, já que as medidas norte-americanas arruinaram a tentativa de elevar a produção para os níveis acordados.
Comentários