Nasce manifesto anti-Tomás Correia para o Montepio

Um conjunto composto por várias dezenas de associados e associadas da Associação Mutualista Montepio decidiu assinar um Manifesto, intitulado ‘Construir a Confiança – Por um Montepio Competente, Solidário e Responsável’.

Cristina Bernardo

Um conjunto composto por várias dezenas de associados e associadas da Associação Mutualista Montepio – entre os quais constam os nomes de João Costa Pinto, José Almeida Serra, Mário Valadas, João Proença (da UGT), Norberto Pilar, Menezes Rodrigues, Nazaré Costa Cabral e Vítor Gonçalves, decidiu assinar um Manifesto, intitulado ‘Construir a Confiança – Por um Montepio Competente, Solidário e Responsável’, que se traduz num manifesto anti-liderança de Tomás Correia.

Os signatários prometem “lutar pela recuperação da imagem do Montepio e pela retoma do seu desenvolvimento”, em nome de “um dever de cidadania”.

Apesar de não fazer referência a Fernando Ribeiro Mendes, o perfil pretendido para presidente da Associação Mutualista encaixa na candidatura concorrente já admitida pelo atual administrador da Associação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPatrick Monteiro de Barros: “Berardo foi financiado pela estratégia de domínio do BCP de Sócrates”

Empresário e ex-acionista do Grupo Espírito Santo diz que “Joe Berardo foi financiado para adquirir ações do BCP e fazer parte de um núcleo que iria dominar o banco na linha imposta pelo primeiro-ministro de então”.

PremiumNovo Banco vende mil milhões de malparado da Sogema e Ongoing

Os dois maiores devedores incluídos no pacote de créditos incobráveis que o Novo Banco pôs à venda com o nome de Nata 2, são a Sogema (540 milhões) e a Ongoing (590 milhões).

Banco de Portugal já entregou lista dos grandes devedores no Parlamento

Relatório do banco central abrange informação os bancos que receberam ajuda pública nos últimos 12 anos: Caixa Geral de Depósitos, BES/Novo Banco, Banif, BPN, BCP e BPI. Só depois de análise do documento, Presidente da Assembleia da República decidirá se relatório deve ser divulgado publicamente.
Comentários