Nasdaq sobe 1,7% e puxa por Wall Street

A Apple fechou em alta, tal como a Cisco Systems, uma das maiores empresas de serviços para redes de computadores. No lado macroeconómico, o sentimento na indústria nova-iorquina volta a melhorar em novembro.

Wall Street fecha com ganhos na sessão com uma subida expressiva do Nasdaq de 1,72% para os 7.259 pontos. O Dow Jones recuperou 0,83% para 25.289,3 pontos com a Apple de volta ao verde (+2,2%) e o S&P 500 subiu 1,06% para 2.730,2 pontos.

Nas empresas, a Cisco Systems, uma das maiores empresas de serviços para redes de computadores, subiu na bolsa 5,5% e liderou os ganhos no Dow Jones depois de superar a previsão de consenso com os resultados do terceiro trimestre. Cisco superou estimativas nas contas e nas projeções de receitas.

Outros títulos positivos do Dow foram a 3M (+ 3,2%), a Caterpillar (+ 2,1%) e a Apple (+ 2,2%).

Além disso, a fabricante de software de negócios Oracle subiu 3,5% no mercado após ser publicado que a Berkshire Hathaway, veículo de investimento de Warren Buffett, aumentou a sua participação na empresa. A Berkshire Hathaway divulgou uma posição de 1,13% na Oracle, correspondente a 41,4 milhões de ações, no final do 3º trimestre.

Do lado negativo, a rede de supermercados Walmart caiu 2,3% no índice Dow após publicar as suas contas, enquanto a empresa de tecnologia NetApp caiu 11,4% na bolsa após frustrar as previsões com seus números do trimestre. Em terreno negativo fecharam a Nike (-1,3%) e a Home Depot (-1,8%).

 

O sentimento na indústria nova-iorquina volta a melhorar em novembro. Na frente macroeconómica, esta quinta-feira foi publicado o índice Empire State Manufacturing  (indicador que mede o clima no setor industrial em Nova Iorque) de novembro, que subiu de 21,1 para 23,3, acima do esperado que era de 20,0. A suportar a melhoria esteve a subida do valor de leitura das perspetivas gerais das condições para os próximos seis meses (componente subiu de 29 para 33), que compensou a degradação da leitura de novas encomendas (22,5 para 20,4).

Embora o índice de produção industrial do Philadelphia Fed do mesmo mês tenha caído de 22,2 para 12,9, abaixo da previsão de 20,0. O que significa que as condições empresariais em Philadelphia degradam-se mais que o previsto. Este valor mostra um ambiente desfavorável para a indústria neste estado da Fed em novembro, com leitura de Novas Encomendas a degradar-se (19,3 para 9,1), tal como a de Preços Recebidos (24,1 para 21,9) e de Entregas (24,5 para 21,6), diz o analista do BCP na sua análise.

Destaque também para o setor Retalho nos EUA.  Deu-se um aumento homólogo de 4,6% em outubro, o que traduz uma aceleração face aos 4,2% denotados em setembro. Mas é necessária uma aceleração superior nos dois últimos trimestres do ano para que o ritmo consiga pelo menos atingir os 5,7% registados em média nos três meses do 3º trimestre. Excluindo as componentes mais voláteis de Auto e Energia registou-se um aumento homólogo de 4,7%.

Por outro lado, os pedidos iniciais de subsidio de desemprego subiram de 214.000 para 214.000, quase em linha com os 212.000 esperados. E os pedidos contínuos subiram para 1,67 milhões de 1,63 milhões, um pouco acima dos 1,63 milhões previstos. Esses dados continuam a indicar uma excelente saúde do mercado de trabalho dos EUA.

Um dos principais fatores de incerteza para os investidores é a possibilidade de um Brexit difícil, isto é, uma saída desordenada do Reino Unido da União Europeia. Apesar de Theresa May ter ganho o apoio do seu gabinete para o acordo alcançado com a UE, a demissão de vários dos seus membros e as críticas de conservadores e trabalhistas tornam muito difícil obter a aprovação do Parlamento.

A libra esterlina deprecia 1,5% em relação ao dólar, até 1,2794 dólares e 1,83% face ao euro, até aos 1.1280 euros.

No mercado de commodities, o petróleo do West Texas sobe 0,55%, para 56,56 dólares, recuperando do colapso das últimas sessões.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários