Navigator aumenta preço do papel fino na Europa e no Reino Unido

A partir do dia 15 de setembro, o preço do papel fino de impressão (não revestido) vai aumentar entre 3% a 5% na Europa continental e entre 4% a 7% no Reino Unido.

Em comunicado, a Navigator esclarece que “este aumento é um reflexo da constante pressão dos custos da estrutura industrial. Os aumentos da matéria-prima e custos logísticos adjacentes que resultam, novamente, em preços insustentáveis para a atividade”, cita a Lusa.

A empresa, classificada como a terceira maior exportadora em Portugal e a que gera o maior Valor Acrescentado Nacional (VAB), acrescenta, que o aumento significativo de pedidos recebidos, bem como a extensão dos prazos de entrega, tanto na Europa como nos outros mercados internacionais, tornaram esta situação “ainda mais delicada”.

A Navigator atingiu um volume de negócios de cerca de 1,6 mil milhões de euros no ano passado e, atualmente, representa perto de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) português, perto de 3% das exportações de bens, perto de 8% do total da carga enviada em contentores e perto de 7% do total desta carga e da carga convencional exportada por Portugal, relata a agência de notícias portuguesa.

A produtora de papel opera em 130 países nos cinco continentes, destacando-se a Europa e os EUA. De acordo com os seus dados, gere, ainda, em terras portuguesas, uma ampla área florestal e dispõe de uma capacidade instalada de 1,6 milhões de toneladas de papel e 1,4 milhões de toneladas de pasta, das quais 1,1, milhões são integradas em papel”.

Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários