Navigator só perde dois milhões de lucros com revisão em baixa de taxa anti-‘dumping’ nos EUA

A empresa liderada por Diogo da Silveira garante que “será iniciado um processo de pedido de reembolso no valor aproximado de 22 milhões de euros, correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado”.

Com a revisão em baixa da taxa anti-‘dumping’ dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada hoje, dia 10 de outubro, a The Navigator Company vai passar a registar perdas anuais de cerca de dois milhões de euros e de cerca de três milhões de euros no EBITDA, refere um comunicado enviado esta quinta-feira à noite à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Recorde-se que a empresa liderada por Diogo da Silveira foi notificada no passado dia 10 de agosto de 2018 pelo Department of Commerce dos Estados Unidos que a taxa final sobre vendas realizadas durante esse primeiro período de review seria de 37,34%, “pese embora em março de 2018 a sociedade tenha sido notificada pela mesma autoridade que, de acordo com a sua avaliação preliminar, a taxa anti-‘dumping’ a aplicar seria de 0%”.

Perante essa taxa de 37,34%, a The Navigator Company calculou que o impacto negativo fosse de 66 milhões de euros no EBITDA e de 45 milhões de euros ao longo do presente exercício.

Apesar de o impacto continuar a ser negativo, o impacto decorrente da decisão hoje conhecida é muito menor para a empresa portuguesa.

No entanto, a empresa liderada por Diogo da Silveira garante que “será iniciado um processo de pedido de reembolso no valor aproximado de 22 milhões de euros, correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado”.

No comunicado enviado à CMVM, a The Navigator relembra que depois de os Estados Unidos terem decidido aplicara a taxa anti-‘dumping’ de 37,34%, “a sociedade reagiu imediatamente contra a decisão em causa, tendo invocado a existência de erros administrativos na decisão, e recorreu a todas as medidas legalmente disponíveis para demonstrar que a taxa acima mencionada para o período em causa era totalmente injustificada”.

“Em consequência, o Department of Commerce reapreciou, com rigoroso cumprimento das regras aplicáveis, os cálculos então feitos, tendo concluído pela atribuição final desta nova taxa de 1,75%, que será aplicável através do depósito do montante da taxa correspondente a todas as exportações para os EUA pela sociedade depois da data de publicação da decisão correspondente, que se espera próxima”, esclarece o referido comunicado da Tha Navigator Company.

Ler mais
Relacionadas

PSI 20 encerra sessão com queda superior a 2%

Em Lisboa, apenas uma empresa fechou em terreno positivo.
Recomendadas

Reformar a Europa para a unir

Ainda a sarar as feridas da crise financeira e na iminência de perder a sua terceira maior economia, por via do Brexit, a UE precisa de reforçar a credibilidade da União Económica e Monetária.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

PremiumEndesa de olho nas barragens da EDP

Nuno Ribeiro da Silva está atento aos ativos que a EDP vier a colocar à venda no mercado, incluindo as barragens, eólicas e redes de distribuição. O líder da Endesa critica o modelo da tarifa social em vigor.
Comentários