Nestlé achou seis funcionários “Fora da Caixa” e deixou-os abrirem os seus negócios sem saírem da empresa

O programa de intraempreendedorismo da sede portuguesa da Nestlé, criado em parceria com a Nova SBE, resultou na criação de empresas pelos pelos próprios colaboradores. Já a proGrow venceu o concurso de startups externas, recebeu 10.000 euros e está a trabalhar com a multinacional num projeto-piloto.

E se dentro de um grande empresa fossem criadas outras mais pequenas, pelas mãos dos trabalhadores? Na sede da Nestlé Portugal, seis colaboradores tornaram-se patrões. A gigante do setor alimentar permitiu que os seus funcionários internos mais inovadores montassem o seu próprio negócio com as ideias geradas no programa de intraempreendedorismo e aceleração da empresa e daí nasceram duas empresas.

“Descobrimos que havia pessoas daqui que queriam abrir as suas próprias empresas, colocara-nos esse desafio e aceitámos que mantivessem o vínculo laboral com a Nestlé. Mais tarde, a Nestlé tem opção de compra preferencial dessas empresas”, disse Luís Ferreira Pinto, Business Executive Officer da Nestlé Portugal, ao Jornal Económico.

O culminar do espírito empreendedor destes profissionais surgiu depois da participação no “Fora da Casca”, o programa criado em parceria com a Nova School of Business and Economics (Nova SBE). Composto por duas vertentes – a do Nestlé Startup Challenge, concurso destinado a microempresas externas, e a do intraempreendedorismo, com 50 funcionários da sede da Nestlé que se inscreveram no programa –, o “Fora da Casca” já escolheu o seu pódio de vencedores. Inicialmente estava prevista a eleição de três ideias internas mas foram quatro os projetos internos vencedores – Janta Comigo, Dog Spot, Tru e Casa da Nutrição –, criados por nove colaboradores.

“O estágio inicial dos projetos ainda não permite ter KPI específicos, mas permite identificar áreas de melhoria. A grande surpresa é que temos gente mais empreendedora dentro da empresa do que imaginávamos. As 42 pessoas que não ganharam contaminam positivamente a empresa e espalham novas formas de trabalhar”, explica, por sua vez, Luís Ferreira Pinto, coordenador do programa.

“Obviamente que a Nestlé tem benefícios claros nestas colaborações, com inovações na sua operação, quer em eficiência quer em contacto com o cliente, mas também tem sido uma vantagem para as startups poderem contar com a Nestlé como primeiro cliente, desenvolverem variações ou melhoramentos dos seus produtos iniciais e fazerem negócio win-win”, conta ao jornal Miguel Muñoz Duarte, professor da Nova SBE.

Como qualquer outro fenómeno “tipicamente explosivo”, o docente considera que a “moda das startups e das summits” traz consigo programas de empreendedorismo com densidade, mas lembra que existe ainda um lado corporate que se mantém “a surfar a onda”, implementando iniciativas com benefícios pouco claros para as empresas.

Segundo Miguel Muñoz Duarte, o “Fora da Casca” permitiu quebrar o statuos quo interno da Nestlé, através dos seus modelos de colaboração entre trabalhadores e startups externas (neste momento existem 10 trabalhar com diversos departamentos da empresa). “Estas startups estão realmente a trabalhar com as equipas internas. A Nestlé é uma gigante e, teoricamente, iria complicar tudo e mais alguma coisa, mas o que vejo é um esforço enorme para tornar obrigações e paradigmas próprios para fazer acontecer mais rápido. O próximo ano vai ser ainda mais diferente, estamos a trabalhar na segunda edição”, refere o porta-voz dos empreendedores participantes.

A grande vencedora do desafio lançado a startups já estabelecidas no mercado foi a proGrow, especialista na melhoria de processos operacionais. Teve como prémio um financiamento de 10.000 euros para aplicar no desenvolvimento de testes piloto e respetiva implementação e integração. O segundo prémio, de 5.000 euros, foi entregue à Team8 – wearable com conteúdos didáticos para crianças – e o terceiro, de 2.500 euros, foi parar à conta da YouBeep – plataforma para melhorar a experiência dos consumidor/shoppers.

Conheça os quatro projetos vencedores do pitch interno:

  • Janta Comigo

Plataforma para juntar anfitriões que queiram receber pessoas novas em sua casa e os seus convidados, proporcionando-lhes uma refeição agradável. Um projeto para pessoas que procuram divertir-se e fazer novos amigos à roda da mesa.

  • Dog Spot

Áreas de conveniência nos shoppings para que os donos de animais de estimação os possam deixar enquanto fazem as suas compras. Estes espaços consideram também outros cuidados prestados aos animais, como banhos, tosquias, refeições e até cuidados veterinários.

  • Tru

Tru Energy Balls é um snack produzido com ingredientes que saciam, sem adição de açúcar, enquanto acrescentam benefícios para a saúde. Dirigido àqueles que procuram um alimento completo, saudável e de conveniência para comer entre refeições.

  • Casa da Nutrição

Desenvolve atividades que promovem estilos de vida mais saudáveis para as crianças e respetivas famílias, quer através do exercício físico, quer através da alimentação. Na prática, é um projeto que ajuda a materializar o propósito da Nestlé, de melhorar a qualidade de vida e contribuir para um futuro mais saudável.

Ler mais
Recomendadas

Escola Superior de Biotecnologia debate desafios do setor cervejeiro

A ESB, em parceria com a Amazing Brewmastery, vai organizar, a 25 de fevereiro, o seminário ‘Beer Styles for Beginners’.

Programa de apoio já entregou cabazes de comida a 80 mil pessoas carenciadas

De acordo com a a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, “já foram distribuídas mais de 13.500 toneladas de alimentos” neste programa de cabazes alimentares.

Cooperativa prevê exportar um milhão de euros em frutos silvestres em 2019

A cooperativa Capital dos Frutos Silvestres, em Oliveira do Hospital, exportou em 2018 mirtilos e framboesas no valor de 100 mil euros, esperando que o volume de negócios ascenda este ano a um milhão de euros.
Comentários