Netanyahu confirma bombardeamentos a armazém de armas em aeroporto na Síria

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, confirmou hoje que o seu país bombardeou um armazém de armas no aeroporto internacional de Damasco, na Síria, este fim de semana.

Atef Safadi/Reuters

“Só nas últimas 36 horas a força aérea atacou armazéns iranianos que escondiam armas no aeroporto internacional de Damasco. O recente número de ataques demonstra que estamos mais decididos do que nunca a atacar a Síria, tal como tínhamos prometido”, disse o governante israelita no início da reunião semanal do conselho de ministros, segundo um comunicado oficial.

O primeiro-ministro referia-se à atuação militar conta o país árabe, tendo assegurado que o exército israelita “atacou centenas de vezes interesses do Irão e da milícia chiita libanesa Hezbollah” para acabar “com a concentração militar iraniana na Síria”.

A televisão oficial síria informou na sexta-feira que as defesas antiaéreas intercetaram “a maioria” dos mísseis lançados por aviões israelitas, mas reconheceu que o ataque causou danos no edifício do aeroporto de Damasco.

Israel considera o Irão a maior ameaça à sua existência enquanto país e várias vezes tem atacado a Síria para atingir interesses iranianos, acusando o Irão de fornecer armas ao movimento Hezbollah.

Recomendadas

Brexit: UE concorda com extensão mas impõe 22 de maio como data-limite

“O Conselho Europeu concorda com uma extensão até 22 de maio de 2019, desde que o Acordo de Saída seja aprovado pela Câmara dos Comuns na próxima semana”, lê-se no comunicado.

“Não há mais como escapar”. Como os políticos brasileiros reagiram à detenção de Michel Temer

A Polícia Federal brasileira deteve hoje de manhã Michel Temer e tenta cumprir outros mandados contra aliados do antigo Presidente brasileiro, numa ação a pedido dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. As reações não se fizeram esperar.

Extrema-direita holandesa ganha eleições provinciais e assusta liberais

O primeiro-ministro liberal Mark Rutte pode ter os dias contados à frente do governo. A extrema-direita, herdeira de Geert Wilders, estará em breve à frente do Senado. Mais um sinal de alerta-vermelho para a União Europeia.
Comentários