Netanyahu confirma bombardeamentos a armazém de armas em aeroporto na Síria

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, confirmou hoje que o seu país bombardeou um armazém de armas no aeroporto internacional de Damasco, na Síria, este fim de semana.

Atef Safadi/Reuters

“Só nas últimas 36 horas a força aérea atacou armazéns iranianos que escondiam armas no aeroporto internacional de Damasco. O recente número de ataques demonstra que estamos mais decididos do que nunca a atacar a Síria, tal como tínhamos prometido”, disse o governante israelita no início da reunião semanal do conselho de ministros, segundo um comunicado oficial.

O primeiro-ministro referia-se à atuação militar conta o país árabe, tendo assegurado que o exército israelita “atacou centenas de vezes interesses do Irão e da milícia chiita libanesa Hezbollah” para acabar “com a concentração militar iraniana na Síria”.

A televisão oficial síria informou na sexta-feira que as defesas antiaéreas intercetaram “a maioria” dos mísseis lançados por aviões israelitas, mas reconheceu que o ataque causou danos no edifício do aeroporto de Damasco.

Israel considera o Irão a maior ameaça à sua existência enquanto país e várias vezes tem atacado a Síria para atingir interesses iranianos, acusando o Irão de fornecer armas ao movimento Hezbollah.

Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários