Netanyahu confirma bombardeamentos a armazém de armas em aeroporto na Síria

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, confirmou hoje que o seu país bombardeou um armazém de armas no aeroporto internacional de Damasco, na Síria, este fim de semana.

Atef Safadi/Reuters

“Só nas últimas 36 horas a força aérea atacou armazéns iranianos que escondiam armas no aeroporto internacional de Damasco. O recente número de ataques demonstra que estamos mais decididos do que nunca a atacar a Síria, tal como tínhamos prometido”, disse o governante israelita no início da reunião semanal do conselho de ministros, segundo um comunicado oficial.

O primeiro-ministro referia-se à atuação militar conta o país árabe, tendo assegurado que o exército israelita “atacou centenas de vezes interesses do Irão e da milícia chiita libanesa Hezbollah” para acabar “com a concentração militar iraniana na Síria”.

A televisão oficial síria informou na sexta-feira que as defesas antiaéreas intercetaram “a maioria” dos mísseis lançados por aviões israelitas, mas reconheceu que o ataque causou danos no edifício do aeroporto de Damasco.

Israel considera o Irão a maior ameaça à sua existência enquanto país e várias vezes tem atacado a Síria para atingir interesses iranianos, acusando o Irão de fornecer armas ao movimento Hezbollah.

Recomendadas

Trump anuncia oficialmente a recandidatura à Casa Branca

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a sua recandidatura à Casa Branca e, num comício em Orlando, Flórida, voltou a acusar os jornalistas de serem “Fake News” e disse que o país tem a melhor economia de sempre.

Planeta Terra: uma máquina de produzir refugiados

Passa hoje mais um Dia Mundial dos Refugiados, durante o qual se saberão novas estatísticas sobre a matéria. Hão-de ser por certo um pouco piores que no ano anterior. Entretanto, na União Europeia, o problema quase deixou de existir.

Boris Johnson vence segunda volta da votação para líder dos conservadores

Dominic Raab ficou fora da corrida porque não obteve os 10% de votos exigidos para passar ao próximo escrutínio, que acontece esta quarta-feira. Amanhã não conta a percentagem e será eliminado o último candidato à sucessão de Theresa May.
Comentários