REN garante que vai continuar a lutar em tribunal contra a taxa CESE

Tal como tem feito até agora, a REN vai continuar a pagar a taxa CESE que vigora desde 2014. Apesar de ter o fim à vista em 2025, a empresa liderada por Rodrigo Costa não desiste de lutar contra a taxa nos tribunais.

A REN – Redes Energéticas Nacionais garante que vai continuar em tribunal contra a Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CESE).

“Estamos a lutar nos tribunais. Estes processos demoram muito tempo. A taxa causa um grande fardo nas nossas contas”, disse o presidente da empresa na sexta-feira, 14 de maio, durante a apresentação do plano estratégico da empresa.

Rodrigo Costa apontou que a CESE tem um peso de 25% nos lucros da empresa. Em 2020, registou lucros de 109,2 milhões, menos 8,1% face a período homólogo.

“Decidimos pagar e disputar nos tribunais. Vamos continuar a lutar porque achamos que temos razão”. Esperamos que a taxa se vá embora nos próximos anos”, segundo o líder da REN.

No plano estratégico, a REN assume que a taxa vai “ficar no mesmo nível no futuro”, apesar de a taxa ter o fim à vista até 2025, por estar previsto que nesse ano a dívida tarifária vai deixar de existir. A CESE tem como objetivo saldar a dívida tarifária.

A taxa entrou em vigor em 2014 e tinha um âmbito temporário, mas tem sido renovada anualmente e em 2021 vai vigorar novamente pelo oitavo ano consecutivo. Além da REN, a taxa também é cobrada a outras empresas do sector energético como a Galp e a EDP.

O peso da CESE no lucro da empresa levou mesmo a empresa a anunciar que vai colocar um limite mínimo anual no pagamento dos seus dividendos: 15,4 cêntimos de euro por ação entre 2021 e 2024. Desde 2013 que a empresa tem pago 17,1 cêntimos por ação.

“Foi um assunto muito discutido no conselho de administração, somos uma empresa prudente”, explicou Rodrigo Costa, apontando que a “taxa especial coloca mais pressão no payout“, o que motivou a empresa a tomar esta decisão.

A companhia também anunciou que vai instituir um pagamento bi-anual do dividendo a partir do final de 2022. Uma parte do dividendo é pago no próprio ano do exercício em questão, com o restante valor a ser pago no ano seguinte.

A REN anunciou na sexta-feira que vai investir mais de 900 milhões de euros até 2024, anunciou hoje a empresa liderada por Rodrigo Costa. No ciclo anterior, a companhia previa um investimento de 500 milhões de euros na sua rede.

O investimento em Portugal vai rondar os 190/200 milhões de euros por ano durante este período, mais 40% face ao plano de investimento anterior, entre 2018 e 2020. No outro mercado onde está presente, no Chile, a empresa espera investir entre 10 a 15 milhões de euros por ano, face aos oito milhões anuais no plano anterior.

A maioria do investimento (150 a 175 milhões de euros por ano) destina-se à rede de eletricidade em Portugal. Deste valor, 75% destina-se à expansão da rede, com os restantes 20%-25% a terem como fim a modernização, aumento da resiliência e adaptação às alterações climáticas da rede de muito alta tensão.

A rede de transporte de gás natural, por seu turno, vai ser alvo de um investimento anual entre os 15 a 20 milhões de euros. Para a rede de distribuição de gás, a Portgás, a empresa destina 25 milhões anuais.

Relacionadas

REN vai mudar sede de Lisboa para Sacavém

A companhia vai deixar o seu edifício sede na Avenida Estados Unidos da América em Lisboa para se instalar em Sacavém, onde tem um edifício onde está instalado o seu centro de despacho a partir de onde gere as suas redes de transporte de eletricidade e de gás natural. A data de transferência não foi revelada pela empresa.

REN vai investir mais de 900 milhões de euros até 2024 (com áudio)

No plano de investimentos anterior, a companhia previa investir 500 milhões de euros na sua rede.

REN coloca limite mínimo anual nos dividendos:15,4 cêntimos

A empresa tem pago 17,1 cêntimos por ação desde 2013. A companhia justifica a decisão com o peso cada vez maior da taxa CESE sobre os seus lucros.
Recomendadas

Parlamento debate financiamento da redução tarifárias nos transportes públicos. Veja em direto

Os deputados reúnem-se esta quinta-feira para debater vários projetos de lei, entre os quais os do PCP e PAN sobre o regime de financiamento permanente do programa de apoio à redução Tarifária nos transportes públicos. Veja em direto.

Goldman Sachs tem mil milhões para investir na logística em Espanha e Portugal

O investimento surge com o objetivo de fortalecer a marca Newdock, criada este ano. Banco norte-americano tem mil milhões de euros para investir no sector logístico na Península Ibérica.

Tesla aumenta lucros no terceiro trimestre para 1,40 mil milhões de euros

No terceiro trimestre de 2020, a Tesla tinha registado um lucro de 331 milhões de dólares (284,36 milhões de euros).
Comentários