No limiar da realidade

As reformas são uma miséria, não há casas para arrendar, o problema da habitação é gravíssimo, viver no centro da cidade é uma utopia, mais especificamente na Madeira, o comércio anda parado, o Norte da Ilha desertificado, a Agricultura completamente esquecida, a miséria instalada, visível pelos sem abrigo, e a actividade de mendigo tornou-se profissão.

Como o Natal anda aí à porta e estou farto de chatices, escolho um tema pacífico.

As reformas são uma miséria, não há casas para arrendar, o problema da habitação é gravíssimo, viver no centro da cidade é uma utopia, mais especificamente na Madeira, o comércio anda parado, o Norte da Ilha desertificado, a Agricultura completamente esquecida, a miséria instalada, visível pelos sem abrigo, e a actividade de mendigo tornou-se profissão.

A criminalidade é de furtos de garrafas de Whisky, e de outras bagatelas.

A tecnologia nem vê-la, e já nem a poncha se vende como antigamente; mas graças a Deus vêm aí as festas de Natal, para alegrar um pouco a malta; desde que haja um dinheirinho para gastar.

Agora passando ao Natal Madeirense, é efectivamente único, e vivido de forma bastante intensa, apesar de já se ter comercializado algumas festas como a noite do Mercado, ainda existem tradições que foram mantidas.

Gosto de ir à Camacha no dia 24, parece-me uma festa genuína, com gente boa, o que pode ter que ver com o espírito natalício da véspera de Natal.

O dia 25 é bom, mas quando há prendas de jeito, ou então uma cartada bem jogada; é comer e beber até não poder mais.

Todos aqueles que estão no limiar desta realidade concerteza terão uma visão diferente e até decadente deste espírito.

O Passado confunde-se no presente, e o Pai Natal é um precário à procura de ganhar mais uns trocos.

Dá-se o final de ano, e entramos em 2019 com a esperança e a melancolia de desejar um Futuro melhor.

2019 é o ano de eleições, e de eleitos; prevejo um ano em que pode não mudar nada, mas tenho uma ligeira esperança de que se mude tudo.

Recomendadas

Os bloqueios ao acesso à documentação (Parte I)

Apresento, já, uma conclusão. À beira de quatro anos de experiência parlamentar, estou cada vez mais convicto que, enquanto cidadão, terei maior direito e celeridade no acesso aos documentos administrativos, do que invocando a figura do “estatuto de eleito”, inclusive a de deputado.

A Morte de Ivan Ilitch

Creio que o mais importante é sempre termos causas justas que nos façam motivar e ter força para o dia-a-dia. De modo a que quando cheguemos ao fim da vida, não hajam pontas soltas, ou coisas deixadas por fazer que nos atormentam, como ao personagem principal de Tolstoi.

RCBE – Registo Central do Beneficiário Efetivo

Esta Diretiva tem um objetivo claro que é o do combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo. E como? Porque passará o País a ter acesso aos dados reais e efetivos dos beneficiários finais das sociedades constituídas em Portugal, no caso.
Comentários