Nova-iorquinos consideram ‘shutdown’ “ataque de raiva” de Donald Trump

Alguns nova-iorquinos classificam a ideia de construir o muro na fronteira com o México de “cruel”, “inútil” ou “essencial” e consideram que a paralisação parcial do Governo resulta de um “ataque de raiva” do presidente dos EUA.

Alguns nova-iorquinos classificam a ideia de construir o muro na fronteira com o México de “cruel”, “inútil” ou “essencial” e consideram que a paralisação parcial do Governo resulta de um “ataque de raiva” do presidente dos EUA.

Cinco pessoas, em declarações à agência Lusa em Nova Iorque, criticaram com palavras fortes a paralisação parcial do Governo dos Estados Unidos (‘shutdown’), que dura há 21 dias, e Donald Trump, enquanto uma outra deu opiniões favoráveis sobre o ‘shutdown’ e o muro, principal razão de discórdia entre o Presidente e o Congresso.

Para os nova-iorquinos, que dizem que estarem a ser afetados diretamente pela paralisação de serviços públicos, o ‘shutdown’ é culpa da administração Trump.

Gabriel Rumbell, de 35 anos, diz que o ‘shutdown’, sendo “absolutamente terrível”, é um “estratagema” e resulta de “um ataque de raiva” de Trump, que não consegue satisfazer as suas vontades e usa “o lamentável poder que tem para levar o país a ficar parado”.

Informático de profissão, Gabriel Rumbell acredita que o único motivo por que Trump continua com esta “crise” é para “apaziguar” os seus apoiantes.

“Ele fez campanha com a ideia de um muro e se ele não construir um muro para apaziguar a sua base, vai parecer estúpido”, afirma.

De entre as seis pessoas entrevistadas pela Lusa nas ruas de Nova Iorque, o advogado Alan Bannister foi o único que deu uma opinião positiva quanto ao ‘shutdown’. A razão: “quanto menos tempo o Governo passa em funcionamento, menos dinheiro gasta”.

Um muro “é essencial para proteger as fronteiras”, diz Alan Bannister, acrescentando que se os Estados Unidos não conseguirem proteger o território, deixam de ser uma “nação soberana”.

Bannister considera que os 5,7 mil milhões de dólares (4,9 mil milhões de euros) que Trump pede para a construção são uma “ninharia”, se comparados com os gastos que o Congresso destina a coisas desnecessárias à população.

O advogado defende o financiamento para o muro e é da opinião que todas as pessoas que querem entrar nos EUA têm de ser rastreadas: “Eu pergunto-me porque continuamos a ter controlos de passaporte no JFK (aeroporto de Nova Iorque), se não temos um muro numa fronteira ainda maior, por onde as pessoas podem simplesmente entrar despercebidas e não verificadas”, explica.

Robert Laird, empregado de um café de Nova Iorque, diz que a falta de acordo há mais de 20 dias faz parecer que “Trump não quer terminar [com o ‘shutdown’] ou que nem sabe realmente o que é o ‘shutdown’ ou como pode ter começado”.

Para Robert Laird, a administração do país devia reunir esforços para levar mais tecnologia para as fronteiras, mas construir um muro ou outro tipo de barreiras é “estúpido e sem sentido”.

A professora Petty Hill considera que a decisão de travar qualquer pagamento a serviços federais até que o Congresso aprove o financiamento para o muro é uma ação “terrivelmente imprudente por parte da administração Trump”, que “está a prejudicar milhares de funcionários federais que não estão a ser pagos, mas que são esperados nos locais de trabalho”.

A opinião da professora sobre o muro é que essa ideia “é cruel, é estúpida e é inútil” e de que “não vai fazer nada quanto ao problema das drogas” e dos imigrantes ilegais.

O ‘shutdown’ está a provocar o encerramento de parques naturais e até de pesquisas científicas financiadas pelo Governo, relembra Petty Hill.

A mesma opinião é partilhada por Jackie Morgan, que trabalha no setor da hotelaria e turismo, e que testemunha que as férias de muitos clientes estão a ser afetadas e os parques naturais não estão abertos ao público.

“Pessoalmente, a minha vida não tem sido impactada, mas li e encontrei várias pessoas que não podem ir aos trabalhos e que não têm recebido os seus ordenados”, diz a agente de relações públicas de companhias de hotelaria.

“Se não receberes o teu ordenado durante mais de duas semanas, não podes pagar a renda”, explica Jackie Morgan, que vê no muro uma “razão ridícula” para o impasse que está a haver.

Na opinião de Jackie, “Trump devia recuar e aceitar os acordos que o Congresso e a Câmara dos Representantes estão a fazer”.

Também Arin Hollingsworth, estudante de 18 anos, considera, em declarações à Lusa, que paralisar o Governo “não é uma boa jogada” e não representa uma ação adequada para a libertação de fundos: “não tem provado ser útil até agora”, diz.

O estudante afirma que tem visto efeitos do ‘shutdown’ através dos amigos, que estão entre os que estão sem trabalhar há vários dias, porque trabalham com o Governo federal e têm estado “suspensos” no processo.

O Governo federal dos EUA está encerrado desde 22 de dezembro, sem previsões de reabertura, o que põe em causa o pagamento de salários a cerca de 800 mil funcionários públicos.

Ler mais
Relacionadas

“Uma perda total de tempo”. Trump abandona reunião com democratas para acabar com shutdown

“Novamente, vimos uma birra porque ele não conseguiu o que queria”, acusou o líder dos democratas no Senado, Chuck Schumer, na sua declaração aos jornalistas à porta da Casa Branca.

‘Trump Wall’: Desde 2007 que as estadias prolongadas superam em mais de meio milhão as travessias ilegais

As afirmações de Trump sobre a fronteira sul falham em explicar que a maioria da imigração ilegal ocorre quando os imigrantes excedem os seus vistos temporários. Durante o ano fiscal de 2017, o Departamento de Segurança Interna constatou que 701 mil imigrantes com vistos permaneceram nos EUA depois do fim do prazo do documento, mais do dobro dos imigrantes detidos na fronteira durante o mesmo período.
Recomendadas

Mais de uma dezena de feridos em manifestação em Atenas contra designação da Macedónia

Mais de uma dezena de pessoas ficaram feridas hoje, em Atenas, nos violentos ataques registados durante uma manifestação contra a ratificação do acordo que prevê a alteração do nome da Antiga República Jugoslava da Macedónia para Macedónia do Norte.

Manifestação contra o aborto e eutanásia junta milhares de pessoas em Paris

De acordo com a agência AP, o grupo de manifestantes apelou a que os médicos deixem de realizar abortos, alegando para isso “objeção de consciência”. Em França são realizados, anualmente, cerca de 200.000 abortos.

Papa pede orações por quem tem responsabilidade pelas mortes no Mediterrâneo

“Penso nas vítimas dos naufrágios no Mediterrâneo. Procuravam um futuro para a sua vida. Vítimas quiçá de traficantes de seres humanos. Rezemos por eles e por todos os que têm responsabilidades no que sucedeu”, disse Francisco durante a celebração do Angelus, na Praça de São Pedro, Cidade do Vaticano.
Comentários