Novas regras da ADSE agradam aos hospitais privados

O presidente da APHP saudou as novas regras, embora considere que os “interesses dos beneficiários” não ficam servidos.

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) aprovou a versão final do decreto de execução orçamental de 2018, divulgado na terça-feira em Diário da República, segundo noticia o “Jornal de Negócios” esta quinta-feira, 17 de maio.

No que respeita à mudança das regras na ADSE, o susbsistema de saúde para funcionários públicos, a APHP fez saber ter gostado da alteração das regras, apesar de não servir “os inteteresses dos beneficiários”.

O facto de o decreto de execução orçamentla “ter evoluído de forma muito significativa face à versão que tinha sido tornada pública. É muito importante salientar que ficou salvaguardado que é da competência da ADSE a negociação e proposta sobre os limites de despesa relativa aos cuidados de saúde a prestar aos seus beneficiários”, afirmou Óscar Gaspar, presidente da APHP ao diário de economia.

O decreto-lei que estabelece as normas do Orçamento do Estado para 2018, aprovado no final de abril, prevê novas regras para a ADSE. Uma delas é que o documento do Governo define que a partir desta quarta-feira os beneficiários da ADSE a quem sejam pedidos documentos adicionais para justificar despesas têm um prazo de 60 dias para o fazer. Até agora este prazo não existia.

documento publicado na terça-feira define que o sistema de saúde para funcionários públicos passa a ter “um limite para efeito de pagamento de cuidados de saúde abrangidos por acordos celebrados ou a celebrar em regime convencionado, relativo ao preço dos medicamentos, ao preço das próteses e ao preço global por procedimento cirúrgico”.

Relacionadas

ADSE critica decisões “inoportunas e ilegitimas” do presidente demissionário

Numa carta enviada ao presidente demisssionário da ADSE, Carlos Liberato Baptista, seis membros deste conselho pedem que este “se abstenha da prática de quaisquer atos que, de alguma forma, colidam com a boa gestão da ADSE”.

ADSE: Beneficiários têm 60 dias para justificar despesas sempre que seja pedido (a partir de hoje)

Na terça-feira foi publicado o decreto-lei de execução orçamental para 2018, que estabelece novas regras para a ADSE. Uma delas é o cruzamento de dados dos beneficiários com outros serviços do Estado, como o fisco. O subsistema de saúde dos funcionários públicos vai passar a poder verificar faturas dos beneficiários.
Recomendadas

Como ajudar o seu filho a ser bem sucedido na escola

À semelhança de um maravilhoso quadro multicolor abstrato, o regresso às aulas tende a despoletar junto dos mais novos por um lado, entusiasmo, alegria e motivação e por outro uma certa angústia e ansiedade perante os desafios que aí se avizinham. Ao mesmo tempo, na paleta de cores sobressaem as preocupações dos pais perante esta etapa inerente ao desenvolvimento dos seus filhos.

UGT aprova reivindicações para 2019, com aumentos entre os 3 e os 4%

O documento reivindicativo da UGT vai ser aprovado pelo Secretariado Nacional da central, na sua primeira reunião após as férias, e tem como objetivo definir a ação da central e dos seus sindicatos para o próximo ano, assim como as medidas que considera prioritárias em termos de OE.

Cortar IVA da energia para 13% custaria 500 milhões de euros ao Estado

Será quase certo que não será aprovada a proposta do BE que pretendia baixar o IVA da energia em Portugal, a quinta mais elevada da União Europeia, segundo escreve o “Jornal de Negócios”.
Comentários