Novembro não trouxe acalmia nas bolsas

A volatilidade continuou a ser a nota dominante na primeira metade deste mês. As quedas registadas em outubro estão a fazer com que muitos analistas ponderem se o “bull market” terminou.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange, (NYSE) in New York, U.S., March 7, 2018. REUTERS/Brendan McDermid

Depois de um mês de outubro muito complicado para as bolsas, os níveis de volatilidade ainda não regressaram à normalidade e permanece a dúvida acerca da continuidade do mais longo bull market da História nas bolsas norte-americanas. Após ter recuado mais de 20% em outubro, Xangai está a ter um mês positivo, com base na expectativa de um maior entendimento entre a China e os EUA nas questões comerciais, à medida que se aproxima o G20 em Buenos Aires.

São evidentes as discussões acerca do ponto do ciclo em que as economias se encontram, com receios de desaceleração para 2019. A subida de juros por parte da Fed tem vindo a assustar os investidores. Esta semana, a PIMCO – maior gestora mundial de obrigações – dizia que a Fed se arrisca a prejudicar o crescimento económico dos EUA, à medida que vai repondo as taxas de juro para níveis que julga serem neutrais e as tensões comerciais impulsionam a inflação. A nível político há pontos de tensão: o resultado das eleições intercalares nos EUA coloca desafios a Trump e dificultará a implementação da sua agenda de estímulos fiscais e de infraestrutura; na Alemanha, Merkel pode não conseguir chegar ao final do seu mandato, após ter anunciado a saída em 2021; Roma prossegue o braço de ferro com Bruxelas acerca do orçamento para 2019, um problema que poderá escalar; o Brexit continua a ser uma dor de cabeça para britânicos e europeus e a crise política que se está a instalar em Londres parece adensar-se.

Esta semana o Deutsche Bank juntou-se aos que estão negativos para a bolsa ao prever que o índice pan-europeu Stoxx 600 deverá fechar o ano de 2019 nos 345 pontos, ou seja 5% abaixo dos níveis atuais. O Deutsche Bank justifica a previsão com a pressão que decorrerá da subida das taxas de juro reais, via obrigações, e com a apreciação do euro.

Em Portugal, a semana também foi negativa, em linha com as perdas do resto da Europa. A pesar no índice estiveram essencialmente as ações da Galp, EDP, Altri e Navigator. A queda da Galp esteve relacionada com a descida acentuada dos preços do petróleo nas últimas semanas. O preço do Brent tem vindo a cair quase diariamente desde o início de outubro. E, desde então, já recuou 25%, devido a questões ligadas a um acordo para a produção de crude e com o ajuste de posições por parte de fundos de investimento. Em relação à EDP, o recuo parece ter sido relacionado com o ambiente geral dos mercados e no caso da pasta de papel tratou-se de uma queda que atingiu todo o setor a nível europeu.

Vale ainda a pena notar o bom comportamento relativo das ações do Millennium BCP, reagindo à apresentação de resultados que foram vistos como positivos. Mas ao não chegar aos 26 cêntimos por ação, o MBCP voltou a não conseguir superar o máximo relativo anterior e, assim, mantém-se a tendência negativa nos preços que já permanece desde os 33 cêntimos alcançados em janeiro deste ano. Destaque ainda para o comportamento negativo das ações da Sonae  SGPS, apesar de ter apresentado um crescimento dos lucros de 50%, aumento de vendas e rentabilidade.

Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários