Novo Banco antecipa redução de pessoal para cumprir metas de Bruxelas

A redução de pessoal através de reformas antecipadas e rescisões voluntárias visa antecipar para este ano a redução de trabalhadores prevista para 2021.

Cristina Bernardo

O Novo banco (NB) prepara-se para um novo processo de redução de pessoal, com rescisões voluntárias e reformas antecipadas, que deverá levar à saída de mais de 400 trabalhadores, além do fecho de 73 balcões até Junho deste ano, noticiam o “Jornal de Negócios” e o “Diário de Notícias” esta quarta-feira.

A medida é um passo para o cumprimento de metas acordadas com Bruxelas e é também uma medida resultante da venda de 75% da instituição bancária ao fundo norte-americano LoneStar.

A redução de pessoal através de reformas antecipadas e rescisões voluntárias visa antecipar para este ano a redução de trabalhadores prevista para 2021. Em Setembro de 2017, o Novo banco contava com 5.675 trabalhadores em 475 agências.

Na terça-feira, a comissão de trabalhadores do NB, depois de reunir com a administração liderada por António Ramalho, precisou que 30 balcões serão encerrados até final de Abril e mais 43 até ao final deste ano.

Recomendadas

PISA: Portugal vai entrar nos estudos da OCDE sobre literacia financeira

“Na economia dos dias de hoje, a literacia financeira é como saber ler ou escrever”, disse Annamaria Lusardi, presidente do International Network on Financial Education’s Research Committee, da OECD.

Literacia financeira: Governo alia-se aos reguladores para reforçar educação

O secretário de Estado para a Educação defendeu que “capacitar para a literária financeira é capacitar para os direitos humanos”, num evento em que foi anunciado o lançamento de um novo Caderno de Educação Financeira.

Carlos Costa defende que harmonização de regras vai acelerar movimentos de concentração bancária transfronteiriça

Esse processo de concentração será tão mais rápido quanto menos preparados estiverem os bancos para concorrer no espaço europeu, defendeu o Governador no Banco de Portugal na conferência sobre a Banca do Futuro.
Comentários