Novo Banco: CDS quer que governo torne negócio público

Cecília Meireles sublinha que as notícias divulgadas sobre o processo de venda não cumpre “o princípio norteador” estabelecido pelo CDS-PP para apoiar a futura privatização.

A vice-presidente do CDS-PP, Cecília Meireles, apelou ao governo que torne o negócio da venda do Novo Banco ao fundo de investimento norte-americano Lone Star público, para que os centristas se pronunciem sobre o mesmo.

“É fundamental neste processo que o Governo torne público o mais depressa possível aquilo que tem negociado, o que está acordado e aquilo que quer assinar. Assim que o Governo torne públicos os contornos do que combinou, o CDS tomará uma posição”, disse a deputada, em declarações aos jornalistas no parlamento, citada pela Lusa.

Cecília Meireles condenou o que classifica como “notícias e factos não confirmados”, acrescentando que “não serve o acordo, o país, os contribuintes, ninguém a não ser os partidos que apoiam o Governo. De manhã são oposição, à tarde já apoiam o Governo”.

A deputada centrista sublinha que as notícias divulgadas sobre o processo de venda não cumpre “o princípio norteador” estabelecido pelo CDS-PP para apoiar a futura privatização, isto é,  “que seja uma solução sem custos ou com o mínimo custo para os contribuintes”.

Relacionadas

Lone Star vai pagar mil milhões de euros pelo Novo Banco

Montante acordado será dividido em duas parcelas.

Bancos portugueses recusam pagar mais buracos no Novo Banco

Em carta enviada ao presidente do Fundo de Resolução, Fernando Faria de Oliveira refere que não é a favor de que os 25% do Estado no Novo Banco fiquem no Fundo de Resolução depois da venda.

Novo Banco: Estado é o primeiro a ser chamado para cobrir prejuízos futuros

É designado como mecanismo de compensação e foi acordado com os potenciais compradores do Lone Star para deixarem cair a garantia estatal. Em caso de prejuízos futuros com activos tóxicos, os 25% do Estado no Novo Banco são os primeiros a ser chamados para suportar as perdas.
Recomendadas

Banca comercial de Angola volta a pedir dinheiro ao BNA em agosto

Valor até ao oitavo mês do ano está 66% abaixo do homólogo.

Commerzbank quer cortar mais 4.300 empregos e vender posição no polaco mBank

O banco alemão deverá chegar ao final de 2020 com 38 trabalhadores a tempo inteiro, mas pretende criar dois mil postos de trabalho noutras áreas, segundo o novo programa estratégico.

BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.
Comentários