Novo Banco tem três propostas de compra para a Herdade do Pinheirinho

O Novo Banco já recebeu, pelo menos, três propostas não vinculativas para a Herdade do Pinheirinho. Entretanto o prazo para a entrega das propostas vinculativas para o “Nata 2” passou para dia 12.

O Novo Banco já recebeu três propostas não vinculativas (non-binding offers) para a compra da Herdade do Pinheirinho, sabe o Jornal Económico. Esses três candidatos já assinaram o Non-Disclosure Agreement (acordo de confidencialidade que é condição para dar acesso à informação detalhada). Mas há pelo menos mais um interessado, o empresário brasileiro Ricardo Bellino, em parceria com o grupo Ralph Lauren, que assumiu recentemente o interesse em declarações à revista Visão.

Apesar da apresentação de propostas estar vinculada a um acordo de confidencialidade, o empresário brasileiro Ricardo Bellino, em parceria com o grupo Ralph Lauren, anunciou à Visão que está na corrida à compra do Pinheirinho, com uma proposta cujo investimento ronda os 100 milhões de euros. O empresário brasileiro explicou que o projeto imobiliário teria três focos: golfe, equitação e cultura.

O Novo Banco conta receber entre três a cinco propostas não vinculativas, que depois serão analisadas. Os escolhidos serão convidados a avançar com propostas vinculativas. Tal como o Jornal Económico avançou em edição anterior, o Novo Banco escolheu a StormHarbour Securities LLP para assessorar a operação de venda.

A Herdade do Pinheirinho situa-se a 25 km da Comporta e possui 200 hectares de terreno. O ativo foi herdado pela instituição liderada por António Ramalho, por dação em cumprimento de crédito concedido pelo antigo BES.

Na altura a Herdade do Pinheirinho, em Melides, eram um projeto do Grupo Pelicano – grupo imobiliário presidido por Joaquim Mendes Duarte -, na altura com um investimento da ordem dos 167 milhões no desenvolvimento de dois hotéis, três aldeamentos, quatro aparthotéis e moradias e um campo de golfe, que prometia criar 2.000 postos de trabalho.

São duas as sociedades de promoção imobiliária que passaram a ser consolidadas, a partir de 2017, nas contas do banco liderado por António Ramalho: a Herdade do Pinheirinho Resort e a Herdade do Pinheirinho II – Investimento Imobiliário. Ambas pertenciam à promotora Pelicano, que tinha, em 2015, apresentado um plano de revitalização (PER), que foi aprovado pelos credores em novembro de 2016. Havia à data 447 credores, que reclamavam 204 milhões de euros. Destes, 69%, ou 140 milhões, eram créditos devidos ao Novo Banco. Este foi mais um projeto classificado com o selo de Potencial Interesse Nacional (PIN) em 2007 pelo ministro da Economia, Manuel Pinho.

Prazo da entrega das propostas para o “Nata 2” adiado
O prazo para a entrega das propostas vinculativas para a compra do portfólio de crédito malparado, designado de “Nata 2”, foi adiado do final de junho para o próximo dia 12 de julho, soube o Jornal Económico. O Conselho de Administração do Novo Banco escolheu uma short-list de três candidatos para passarem à fase da binding-offers (propostas vinculativas): a Bain Capital, KKR com o Hipoges e o Davidson Kempner Capital. Tal como já notíciado, a Bain Capital, caso saia vencedora, terá a Whitestar como servicer para fazer a gestão e recuperação dos créditos.

O “Projecto Nata 2” é a maior carteira de crédito malparado à venda no mercado português.Tem o valor de 3,3 mil milhões e cerca de um quinto são créditos de empresas fora de Portugal, a maioria em Cabo Verde. Em causa estão 60 a 70 créditos de grandes devedores, dos quais apenas um terço tem colaterais e garantias reais (cerca de 1.000 milhões), enquanto os restantes financiamentos não apresentam quaisquer garantias (unsecured). A maioria dos créditos, segundo revelou uma fonte ao JE, são créditos à construção e ao imobiliário. Na lista de créditos incobráveis que estão englobados no Projecto Nata 2, estão os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos. Segundo apurou o Económico, o crédito malparado da Sogema tem o valor indicativo de 540 milhões de euros (o que incluirá juros) e os créditos da Ongoing, de Nuno Vasconcellos e Rafael Mora, têm o valor indicativo de 350 milhões de euros, a que acresce 240 milhões em papel comercial da holding que era dona do Diário Económico. Estes são os maiores devedores neste portefólio de NPL. Esta operação de venda está a ser liderada pela espanhola Alantra.

São esperadas perdas para o Novo Banco com a vendas desta carteira. Um dos administradores da Comissão de Acompanhamento do Novo Banco, que está encarregue de seguir a venda dos ativos que estão cobertos pelo mecanismo de capital contingente, José Bracinha Vieira, disse na COFMA que em 2019 prevêem-se prejuízos de 400 milhões decorrentes da “venda de um grande conjunto créditos (projeto Nata 2)”.

Já no que toca ao Projeto Sertorius – um novo portfólio de ativos imobiliários com o valor contabilístico bruto de 500 milhões de euros e composto por 200 ativos, que o Novo Banco pôs à venda – as propostas vinculativas foram entregues até ao passado dia 26 de junho e estão em análise. A carteira consiste principalmente (cerca de dois terços) em terrenos não edificados e alguns ativos imobiliários industriais. Mas há também imóveis residenciais e comerciais, a maioria concentrados em Lisboa e Setúbal. A PwC está a assessorar o banco nesta operação. Esta é a segunda venda de um portfólio de imóveis recebidos por incumprimento de crédito, depois de o banco ter vendido o Projeto Viriato, com um desconto de 45% face ao valor contabilístico bruto de 716,7 milhões de euros. Recorde-se que o Novo Banco acordou, em outubro, a venda de uma carteira de quase 9.000 imóveis a fundos da Anchorage Capital Group por 388,9 milhões.

Artigo publicado na edição nº 1996, de 5 de julho, do Jornal Económico

Ler mais

Recomendadas

PremiumCotadas cumprem pouco as recomendações sobre partes relacionadas

Relatório de Monitorização do Código de Governo das Sociedades revela que as recomendações sobre negócios com partes relacionadas e a autoavaliação da administração estão entre as menos seguidas. Das 47 empresas emitentes há 32 que adotaram o Código de Governance.

Operação stop do fisco: “Episódio lamentável permitiu-nos tirar consequências”, diz Mendonça Mendes

Sobre a Operação Stop do Fisco, em Valongo, realizada em maio, o Secretário dos Assuntos Fiscais defendeu que “não deveria ter acontecido”, mas que permitiu retirar consequências, como a alteração da forma como as ações externas da AT são desenhadas.

Fisco descobriu que, afinal, existem 1.600 contribuintes ricos em Portugal

Número de contribuintes com elevado património mais do que duplicou, anunciou António Mendonça Mendes no Parlamento. Unidade dos grandes contribuintes representa 50% da receita fiscal.
Comentários