Novo diploma sobre ADSE prevê benefícios a antigos políticos e gestores

O Conselho Geral e de Supervisão recebeu, no final do mês passado, a proposta do Governo de extensão das admissões na ADSE.

O Governo apresentou ao Conselho Geral e de Supervisão, no final do mês passado, a proposta de extensão das admissões na ADSE. O documento em questão estipula o alargamento dos benefícios a políticos, membros de gabinetes e titulares de subvenções mensais vitalícias, revela o Jornal de Negócios desta segunda-feira.

“Os reformados e os aposentados, os titulares dos órgãos de soberania e os membros dos respetivos gabinetes, os titulares de cargos públicos e os gestores públicos, os titulares de subvenções mensais vitalícias, bem como os trabalhadores de outras entidades com as quais a ADSE celebre acordos específicos para a atribuição de benefícios” são os beneficiários deste sistema, segundo escreve o diário de economia, citando o texto do Executivo.

O diploma refere ainda que a inscrição de cônjuges de particulares deva ser realizada apenas se a pessoa inscrita não tiver mais do que 65 anos de idade. Ao que o matutino apurou, ainda permanecem dúvidas em relação às admissões deste novo diploma, nomeadamente, no que diz respeito ao caso dos titulares de subvenções mensais vitalícias e ao seu direito ao subsistema.

Relacionadas

ADSE nega redução na comparticipação de medicamentos oncológicos

A ADSE negou hoje a redução na comparticipação de medicamentos a doentes oncológicos ou com esclerose múltipla, esclarecendo que alguns fármacos estavam a ser comparticipados indevidamente a 100%, pois não eram utilizados “em tratamento de quimioterapia na patologia oncológica”.

Abertura da ADSE a novos beneficiários resvala para outubro

Em causa a possibilidade de os cônjuges que trabalham no privado e dos trabalhadores do Estado com contrato individual poderem aderir ao sistema da função pública.
Recomendadas

Federação Nacional dos Médicos saúda aprovação da nova Lei de Bases da Saúde

“A lei hoje aprovada vem substituir uma Lei de Bases da Saúde que, desde 1990, desvirtuou os princípios fundadores do SNS, legalizou o desvio dos dinheiros públicos para financiar negócios privados e, por esta via, promoveu o brutal desinvestimento nos serviços públicos de saúde”, lê-se num comunicado enviado às redações pela FNAM.

Parlamento aprova gestação de substituição sem permitir arrependimento da gestante

O texto de presentado pela Comissão de Saúde relativo ao projeto de lei do Bloco de Esquerda para alteração ao regime jurídico da gestação de substituição foi aprovado em votação final global com seis abstenções e 21 votos favoráveis dos PSD, com os votos a favor do BE e do PS e os votos contra do CDS-PP e PCP.

Greve dos técnicos de diagnóstico regista adesão acima dos 85%, diz sindicato

Na próxima semana, as direções sindicais vão reunir-se para decidir ações em tribunal e outras formas de luta, como manifestações.
Comentários