Novos donos dos imóveis da Fidelidade têm morada nas Ilhas Caimão

O grupo Apollo tem também subsidiárias no estado norte-americano do Delaware, Ilhas Marshall, Maurícias, Guernesey ou Hong Kong.

O grupo Apollo controla as donas dos 271 imóveis comprados à seguradora Fidelidade, por 425 milhões de euros, através da Ugland House (escritórios da consultora jurídica e financeira Maples and Calder, sede de 18 mil sociedades), nas Ilhas Caimão.

A notícia, avançada pelo “Público” na edição desta terça-feira, 12 de fevereiro, revela que o gestor de fundos de investimento norte-americano construiu uma estrutura acionista em cascata que passa sobretudo por dois locais: este território a sul de Cuba e o Luxemburgo.

Segundo o diário generalista, as proprietárias dos imóveis em causa (as empresas nacionais Meritpanorama, Fragrantstrategy, Notablefrequency e Neptunecategory) são detidas pela AEPF III, sociedade de responsabilidade limitada luxemburguesa, na qual, por sua vez, a AEPF III (outra empresa da Apollo) tem uma participação de 100%.

Ao que o jornal apurou, o grupo tem também subsidiárias no estado norte-americano do Delaware, Ilhas Marshall, Maurícias, Guernesey ou Hong Kong.

Negócio do portefólio imobiliário da Fidelidade não pagou IMT

Ler mais
Relacionadas

Fidelidade comprou 25 milhões de dívida perpétua subordinada do BCP

No mesmo comunicado é avançado que o anterior CEO e atual “chairman” do BCP, Nuno Amado, também investiu nas obrigações AT1 um montante de 400.000 euros.

Premium“A Fidelidade passou a ser uma multinacional com entrada na América Latina”

A compra de 51% da peruana La Positiva é uma inflexão estratégica que vai obrigar a seguradora portuguesa a pensar de forma global, sublinha o CEO.
Recomendadas

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

PremiumCTT injetam 100 milhões no banco para comprar 321 Crédito

BCE autorizou aquisição porque os CTT garantiram aumento de capital. Na AG, 44% do capital presente, incluindo o maior acionista Champalimaud, recusou menção de louvor à gestão de Lacerda.

PremiumCGD está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários