Aliança de Santana Lopes acumulou prejuízos de 19 mil euros em 2018

O partido foi o único entre as forças políticas recentemente formadas que contabilizou prejuízos, apesar de, entre os partidos mais pequenos, o Partido Nacional Renovador (PNR) e o Partido Operário de Unidade Socialista (POUS) também estarem em falência técnica.

O presidente do Aliança, Pedro Santana Lopes (C), durante a sessão de abertura do 1.º Congresso do Aliança, Évora, 9 de fevereiro de 2019. O partido é liderado por Pedro Santana Lopes que elege neste congresso o senado, o conselho de jurisdição e a comissão de auditoria. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Aliança, formado por Pedro Santana Lopes, acumulou um prejuízo de 19.146,77 euros no ano passado. O partido foi o único entre as forças políticas recentemente formadas que contabilizou prejuízos, apesar de, entre os partidos mais pequenos, o Partido Nacional Renovador (PNR) e o Partido Operário de Unidade Socialista (POUS) também estarem em falência técnica.

Segundo dados revelados pela Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP), o Aliança conta com 15,1 mil euros no ativo e um passivo de 34,2 mil euros, o que corresponde a mais de 19,1 mil euros de buraco nas contas. Já o Iniciativa Liberal, que também concorreu pela primeira vez a eleições este ano, apresentou um saldo positivo de 2,3 mil euros.

Apesar de as contas dos partidos mais pequenos, por norma, estarem mais equilibradas do que a dos maiores, na lista de 11 forças políticas que apresentaram resultados e que não elegeram nenhum deputado para a Assembleia da República ou para o Parlamento Europeu, destacam-se dois partidos que estão numa situação financeira mais frágil: a do PNR e do POUS.

O PNR apresentou em 2018 ativos de 6,8 mil euros e um passivo de 45 mil euros. Feitas as contas, o partido liderado por José Pinto Coelho tem um buraco de 38,2 mil euros. Já o POUS, apresentou ativos de 2,3 mil euros e uma dívida de 5 mil euros, o que corresponde a 2,7 mil euros.

Já o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses/Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (PCTP/MRPP) é, entre os partidos mais pequenos, o que apresenta melhor saúde financeira. O partido fechou 2018 com 125,3 mil euros nos bancos e uma dívida de 15,2 mil euros, o que perfaz um saldo positivo de 110.095,49 euros.

Recomendadas

Augusto Santos Silva frisa que “nada deve impedir” presidenciais na Guiné-Bissau

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, afirmou esta quarta-feira que “nada deve impedir” a realização das eleições presidenciais na Guiné-Bissau, que vão permitir “fechar um ciclo político” e criar estabilidade no país.

Governo: Novo executivo reúne-se sábado em Conselho de Ministros após tomar posse

O XXII Governo Constitucional, o segundo liderado por António Costa, reúne-se no sábado em Conselho de Ministros, depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lhe dar posse numa cerimónia no Palácio da Ajuda.

Brexit: Líderes europeus aceitam pedido de extensão do Reino Unido, mas não dizem por quanto tempo

A informação está a ser avançada pela agência de notícias “AFP”. O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, havia recomendado ao Conselho Europeu para concordar com a extensão da saída do Reino Unido da UE.
Comentários