Número de empresas criadas em Portugal caiu 1,8% em março

Em termos acumulados, registou-se um crescimento de 9,4% no primeiro trimestre do ano, face a igual período de 2017.

Reuters

O número de novas empresas criadas em Portugal caiu 1,8% em março de 2018, face a igual mês do ano passado, para 4.164 novas empresas constituídas, menos 1,8% que em igual período de 2017, segundo dados divulgados esta terça-feira pela Iberinform.

Em termos acumulados, registou-se um crescimento de 9,4% no primeiro trimestre do ano, face a igual período de 2017.

O distrito de Lisboa, que representa mais de 34% das novas constituições, alcançou um total de 4.523 novas empresas no trimestre, valor que traduz um aumento de 15,7%. O Porto, com 2.368 novas constituições que representam 18% do total nacional, ocupa a segunda posição, com um crescimento de 12%.

As subidas mais significativas no primeiro trimestre de 2018 registaram-se nos distritos da Guarda (mais 33%), Angra do Heroísmo (29%) e Setúbal (17%), embora o peso destes distritos no total nacional seja substancialmente inferior: 0.8%, 0.3% e 7.2%, respetivamente. Com maiores quebras surgem os distritos da Horta (menos 43%), Beja (menos 28%) e Portalegre (menos 21%), que no conjunto representam 1,7% das constituições registadas em Portugal nos três primeiros meses deste ano.

Por setores, aqueles com maior incremento até março foram: Outros Serviços (14,8%), Construção e Obras Públicas (18,2%) e Hotelaria/Restauração (12,4%). O peso destes serviços no total das constituições é de 47%, 9,9% e 11,8%, respetivamente. As únicas descidas no acumulado ao final de março foram sentidas nas atividades de Agricultura, Caça e Pesca (menos 39,6%), Eletricidade, Gás e Água (variação negativa de 14%) e Comércio a Retalho (menos 5%).

Recomendadas

Jeremy Corbyn apresenta moção de censura contra Theresa May

Líder do ‘Labour’, principal partido da oposição, considera que o governo de May é “caótico”.

Tragédia do INEM: Sindicato dos médicos exige comissão arbitral para indemnizar vítimas

O Sindicato Independente dos Médicos quer medidas para agilizar indemnização às quatro vítimas no acidente deste sábado com o helicóptero ao serviço do INEM. Para o efeito, exige criação de comissão arbitral ad hoc, as partes de comum acordo nomeiam os árbitros e administram elas próprias o procedimento arbitral. SIM alerta: não se pode “aguardar tempos infindos” nos tribunais para ultrapassar este problema.

Helicóptero do INEM já foi substituído

A reposição do meio de socorro que mais missões faz na frota aérea do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) estava prevista para a manhã de hoje, mas acabou por ocorrer só à tarde, 48 horas depois de ter levantado voo o helicóptero que se despenhou, no sábado, em Valongo.
Comentários